Bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) abordaram esta terça-feira com o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, questões sociais, entre as quais a polémica em torno da proibição total do aborto.

Em declarações à imprensa, o porta-voz da CEAST, Manuel Imbamba, referiu que no encontro manifestaram ao chefe de Estado angolano satisfação pela sua decisão de não se candidatar à Presidência da República e pela transição “pacífica”, para o “bem do país”.

Manuel Imbamba igualmente bispo da arquidiocese de Saurimo considerou “boas e estáveis” a relação entre a igreja e o Estado, caracterizada por “permanente diálogo e colaboração”.

“Servimos a mesma pessoa e procuramos, pois, encontrar os caminhos que nos ajudem a incentivar mais a justiça, a dignidade da pessoa humana, o desenvolvimento e todos aqueles serviços sociais indispensáveis para que a pessoa se sinta servida também nos seus interesses”, disse.

Sobre a polémica em torno da interrupção da gravidez, que se levantou com a proposta do novo Código Penal angolano, em substituição do diploma legal de 1886 e na última versão proíbe qualquer tipo de aborto, o prelado enalteceu a discussão à volta do assunto, para que “a lei saia de facto a favor da vida”.

“É bom que haja esta discussão, é bom que todos nós sintamos este problema como nosso, o importante mesmo é sabermos exaltar a vida. A vida é um bem sagrado, um bem até inegociável, não podemos colocar a vida sobre a mesa de negociações, como se estivéssemos a tratar de coisas ou de qualquer consumível”, considerou.

Segundo o porta-voz da CEAST, “o aborto é uma das questões que está a chamar a atenção de todos”, sendo preocupação para a igreja “a falta de fundamentação, quer antológica quer antropológica, ética, moral e cultural”, com que o assunto está a ser tratado.

“Seria bom que nós aprofundássemos bem esta discussão, para não ficarmos só no imitar por imitar ou deixarmo-nos absorver pelas ideologias estranhas, que estão a invadir todas as culturas, praticamente, e assumirmos a coisa com muita ligeireza”, assinalou o bispo.

Os bispos da CEAST realizam quarta-feira a sua primeira reunião plenária, que deverá analisar o programa das prioridades pastorais para o próximo triénio, sendo que os últimos três anos foram dedicados à família.

O programa de trabalhos prevê igualmente uma mensagem pastoral para as eleições e a aprovação de um novo diretório pastoral da CEAST, contando o evento com a presença de 24 bispos e do núncio apostólico em Angola, Petar Rajic.