Daimler

Daimler sob investigação por suspeita de manipulação de emissões

Depois das buscas no Grupo Volkswagen, as autoridades alemãs acabam de abrir uma segunda investigação, a funcionários da rival Daimler. Também eles suspeitos de manipulação de emissões.

Autor
  • Francisco António

Continuam as investigações da justiça alemã quanto a possíveis casos de fraude e manipulação dos valores das emissões na indústria automóvel. Desta feita, tendo como alvo alguns funcionários do Grupo Daimler, proprietário de marcas como a Mercedes-Benz ou a Smart. Os quais, desconfiam as autoridades, poderão ter sido protagonistas não só de fraude no âmbito das emissões, como também de publicidade falsa.

A informação terá sido prestada à Bloomberg por uma fonte não identificada, mas familiarizada com todo o processo, tendo sido, entretanto, também já confirmada por um porta-voz da Procuradoria de Estugarda, embora sem revelar mais pormenores.

A Daimler afirma estar a colaborar totalmente com as autoridades nas investigações, recusando-se, no entanto, a fazer mais comentários com base no facto de o processo estar ainda a decorrer. Mas a empresa lembra que quer o Ministério dos Transportes da Alemanha, quer a autoridade responsável pela homologação dos veículos, levaram já a cabo testes às emissões das viaturas do grupo, não tendo sido encontradas quaisquer situações ilegais.

Apesar da declaração agora proferida, o jornal alemão Die Zeit noticiou que alguns motores a gasóleo fabricados pela Daimler terão sido manipulados, de forma a passarem nos testes às emissões. Situação que, acrescenta o mesmo periódico, terá sido comunicada às autoridades de Estugarda por um funcionário da companhia. Confrontado com este depoimento, o fabricante alemão terá declinado fazer qualquer comentário sobre o assunto.

O cerco aperta-se

Os fabricantes automóveis têm estado sob a mira das autoridades em praticamente toda a Europa, depois do despoletar do escândalo das emissões envolvendo a também alemã Volkswagen. Marca que acabou por assumir, em Setembro de 2015, ter instalado dispositivos que mascaravam o nível de emissões, quando em situações de teste, em cerca de 11 milhões dos seus veículos.

Agora, as autoridades procuram apurar igualmente até que ponto os dispositivos utilizados de forma quase generalizada pela indústria automóvel, e que inibem o controlo das emissões, para proteger os motores a partir do momento em que estes ultrapassam uma determinada temperatura, são, ou não, ilegais.

Quanto à principal marca do Grupo Daimler, a Mercedes-Benz, concordou, ainda em Abril do ano passado, em promover um recall na Europa, com o objectivo de reajustar os valores do controlo de temperatura dos motores diesel. Isto, já depois do regulador alemão ter levado a cabo testes às emissões dos veículos não só da Mercedes, mas também da Volkswagen, Audi, Porsche e Opel. Procurando responder assim também a alguns grupos ambientais alemães, que alegavam que os carros a gasóleo da marca de Estugarda ultrapassavam os limites impostos em termos de emissões. Algo que a companhia refutou de imediato.

Entretanto, e ainda na Alemanha, procuradores de três cidades têm vindo a investigar os fabricantes automóveis germânicos sobre a questão das emissões. Em Braunschweig, funcionários da Volkswagen estão sob o foco das autoridades há já cerca de dois anos. Em Munique, foram efectuadas, na última semana, buscas em instalações da Audi, à procura de provas que possam confirmar o envolvimento desta marca na fraude. E, em Estugarda, a Procuradoria está a investigar, desde Dezembro de 2015, vários funcionários do fornecedor Robert Bosch, sobre uma possível participação dos mesmos na fraude das emissões. A Daimler é, segundo a Automotive News, a segunda empresa a ser alvo da acção das autoridades desta cidade bávara, no âmbito deste mesmo caso.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)