Primeiro SUV da história da Maserati, o Levante nasceu da vontade do fabricante de Modena de conquistar novos públicos, através da presença num segmento que é, hoje em dia, aquele que maior índice de crescimento apresenta. Mas que, no caso concreto da marca do tridente, não está a correr propriamente bem. Isto porque, em apenas quatro meses de vida, o Levante já teve de ser chamado por quatro vezes às oficinas, para reparar problemas de origem

O último destes recalls ocorreu há alguns dias, por indicação da Autoridade Norte-Americana de Segurança Rodoviária (NHTSA), na sequência de um problema de software surgido, pela primeira vez, em Dezembro de 2016. E que, afectando cerca de 3.299 unidades comercializadas nos EUA, pode levar ao desligar do motor em situações de trânsito lento, quando a velocidades entre 3 e 4 km/h, com sucessivos pára-arranca. Existindo igualmente a possibilidade de a caixa de velocidades engrenar o ponto morto, sem aviso prévio. A acontecerem, estas situações – alerta a NHTSA – podem colocar em causa a segurança, provocando mesmo uma colisão, ainda que a baixa velocidade.

A Maserati estará já a tentar encontrar uma solução, a qual poderá passar por uma reprogramação da unidade de controlo do motor. Com o fabricante a garantir, desde já, que qualquer intervenção não afectará, tanto o rendimento do motor, como o consumo de combustível.

Recorde-se que, já em Dezembro passado, a Maserati foi obrigada a promover uma chamada às oficinas, devido a este mesmo problema. Sendo que, nesse mesmo mês, tinha já sido um problema na câmara traseira a motivar um outro recall, dos modelos Levante, Ghibli e Quattroporte, comercializados nos EUA.

Antes destas duas chamadas, um primeiro recall, mais uma vez promovido por indicação da NHTSA, obrigou os donos destes mesmos três modelos a passarem pelas oficinas, para resolver um problema com a cablagem do sistema eléctrico dos bancos dianteiros, que poderia dar origem a um incêndio.

Segundo as informações já divulgadas, os veículos em causa terão sido fabricados entre 1 de julho de 2016 e 13 de dezembro de 2016, e comercializados apenas no mercado norte-americano. Embora, e até ao momento, tenham já sido identificadas unidades com problemas semelhantes no mercado chinês, mas ainda nenhuma no mercado europeu.

As primeiras unidades do Levante só deverão chegar ao mercado português em Junho, pelo que os clientes que já fizeram a sua reserva do modelo deverão, nos primeiros tempos, ter atenção a quaisquer anomalias que possam surgir.

O primeiro SUV da marca de Modena será comercializado em Portugal com duas opções de motorização: um V6 3,0 litros biturbo a gasolina de 430 cv, e um V6 3,0 litros turbodiesel, com 275 cv. Sendo que ambos os motores estarão acoplados a uma caixa automática ZF de oito velocidades e disporão de sistema de tracção integral Q4.

Quanto aos preços, começam nos 108.468€ para o Levante Diesel, ao passo que a versão V6 3,0 litros a gasolina com 430 cv, denominada Levante S, inicia-se nos 130.991€.