Imagine que, no último ano, algures a partir de março de 2016, se tinha afastado da sociedade a que está habituado, sem telemóveis, linhas telefónicas fixas, internet, televisões, rádio. Imagine que tinha cortado todas as ligações ao mundo. Se regressasse hoje, que mundo encontraria?

Donald Trump é presidente dos EUA, o Reino Unido está prestes a sair da União Europeia, Dilma Rousseff foi destituída da presidência do Brasil, o mundo perdeu Prince, George Michael, Leonard Cohen, e também Fidel Castro. Ah, e Portugal é o novo campeão europeu de futebol. Agora junte a isto, e depois de meses largado nas Terras Altas escocesas, em estado selvagem, a ser filmado numa luta de sobrevivência, a descoberta de que esse ano em isolamento não serviu para… nada. Esta foi mesmo a maior surpresa dos concorrentes do reality show ‘Eden’ quando voltaram à civilização: o programa em que estavam a participar durante esse ano tinha sido cancelado, logo ao fim de quatro episódios, só ninguém os avisou.

O britânico Channel 4 chegou a apresentá-la como “uma experiência social inovadora”, mas a verdade é que a receita não é propriamente nova: um conjunto de pessoas que não se conhecem (no caso eram 23), deixadas num território selvagem (uma propriedade nas terras Altas da Escócia de cerca de 250 hectares), sem acesso ao mundo exterior e desafiadas a fixarem uma comunidade que consiga providenciar a sua própria subsistência. Tudo isto misturado com toda a trama natural das relações humanas. Uma espécie de regresso às origens, com nome inspirado no bíblico Éden (o paraíso de Adão e Eva), com 23 pessoas, sendo que dez foram desistindo ao longo do ano, muitas delas porque não conseguiram aguentar os mosquitos na região. Outros por pressão psicológica.

O programa rapidamente mostrou que não iria estar à altura do nível de audiências que ambicionara. O The Guardian conta que nos meses em que o programa esteve a ser transmitido (março, abril e maio de 2016), o número de espetadores caiu de 1,7 milhões para 800 mil. O Channel 4 acabou por decidir retirá-lo do ar, mas não disse nada aos concorrentes em prova, continuando as filmagens como se nada fosse.

Polémicas no ar

A verdade é que nada disso será desperdiçado. Num comunicado, o Channel 4 fez saber que “a história, com os altos e baixos dos concorrentes, vai ser exibida no final deste ano”. Ou seja, não houve o programa semanal, mas tudo indica que vai existir um programa mais alargado sobre a aventura dos 23 concorrentes. “O que o ‘Eden’ tinha de especial era a experiência real e, quando começaram as filmagens, não fazíamos ideia de quais seriam os resultados e como os concorrentes iriam reagir ao facto de estarem isolados durante meses numa zona remota das ilhas britânicas”, argumentou o canal.

Durante meses, o reality show foi sendo alvo de algumas polémicas, com os habitantes de Fort William, a cidade mais próxima do local onde o programa decorria, a relatarem que alguns dos concorrentes foram até vistos em consultas de dentista na cidade por comerem fast food. Os concorrentes que saíram entretanto também foram expressando as suas críticas. Tom Wah escreveu no seu Twitter que saiu em agosto porque o programa não era o que ele esperava: “O que vocês veem na televisão é uma treta. Não estão a ver a história toda. O programa é muito enganador”. E, agora, perante o programa que terminou apenas com quatro transmissões televisivas, o mesmo ex-concorrente escreveu que o programa é um “monte de lixo”.