República do Congo

Milícia rebelde decapita 40 polícias no Congo

Milícia anti-Governo decapitou 40 polícias e poupou seis que falavam a língua Tshiluba. Revolta contra o presidente congolês gerou onda de violência que já provocou mais de 400 mortos.

Este é o ataque mais violento desde que começou uma revolta na região em agosto de 2016

AFP/Getty Images

Rebeldes de uma milícia de Kamuina Nsapu decapitaram, na última sexta-feira, 40 polícias na República Democrática do Congo. De acordo com a Reuters, tratou-se de uma emboscada aos polícias quando seguiam em caravana de Tshikapa para Kananga, naquele que é o ataque mais violento desde que começou uma revolta na região em agosto de 2016.

De acordo com o porta-voz da assembleia da província de Kasai, François Kalamba, a milícia terá roubado “armas e veículos”. A revolta começou quando o presidente do Governo congolês, Joseph Kabila, se recusou a deixar o cargo no fim do seu mandato constitucional em dezembro, o que gerou desordem no país, com movimentos de revolta que se alargaram a cinco províncias.

François Kalamba afirmou que a milícia decidiu poupar a vida de seis políticas que falavam Tshiluba, uma das Línguas oficiais do Congo. De acordo com a ONU, já foram mortas mais de 400 pessoas desde que começou a onda de violência no Congo. O Governo tinha revelado na última terça-feira, antes deste ataque, que 67 polícias tinham perdido a vida. De acordo com a ONU muitos estão a ser enterrados em valas comuns.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)