Como quem não quer a coisa, a Skoda revelou a silhueta do Vision E, no meio de muita conversa em relação à imagem da marca e renovação da oferta. Até podia ser um deslize inofensivo por parte do construtor checo, não fosse a tradição dos “Vision” revelarem as novidades que vêm aí.

Foi assim em 2016 com o Vision S, que originou o Kodiaq, dois anos antes com o Vision C, que revelou as linhas do Superb, da mesma forma que o Vision D, em 2011, antecipou o Octavia. E não há dúvidas que o futuro da Skoda passa pela introdução de novos SUV, mais pequenos e com menos espaço interior do que o novo Kodiaq. Na mesma apresentação ao mercado chinês, a Skoda deixou igualmente “cair” que prepara os SUV K (pequeno e que deverá partilhar a base com o Seat Arona) , o Q (essencialmente um Yeti com mais caraterísticas de SUV que actualmente) e o Kodiaq Coupé de que agora se fala.

A “fuga” do Vision E teve lugar na China, onde o modelo de série a que vai dar origem, o tal coupé/SUV, será comercializado a partir de 2019, devendo ser mais curto do que Kodiaq e com um tejadilho mais baixo e mais inclinado na traseira, conferindo-lhe o desejado dinamismo. Até lá, o mercado chinês – e os restantes, pois se o modelo se estreia a Oriente, não deixará depois de rumar à Europa – vai ter de se contentar em apreciar o Vision E, que muito provavelmente será exposto no próximo Salão Automóvel de Xangai, que arranca em Abril.