A Câmara de Vila Nova de Famalicão reduziu entre 2013 e 2016 o endividamento líquido em 12 milhões de euros (43%), atingindo o “maior nível de autonomia financeira de sempre”, fixado nos 73,7%, anunciou esta quarta-feira a autarquia.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o município dirigido por Paulo Cunha (PSD) adianta ainda que em 2016 conseguiu uma execução orçamental de 98,9% do lado da receita e de 82,8% do lado da despesa, números que a autarquia explica com o “rigor, responsabilidade e pelo compromisso com os cidadãos”.

No texto, a câmara destaca ainda os cerca de oito milhões de euros aplicados em “respostas sociais” e os mais de 28 milhões de euros investidos na “requalificação da rede viária, na modernização do parque escolar, bem como na ampliação e remodelação das redes de abastecimento de água e saneamento”.

“Em 2016 crescemos, evoluímos, demos mais qualidade de vida à geração atual de famalicenses, mas ao mesmo tempo reforçamos as condições estruturais para que as futuras gerações de famalicenses possam viver com qualidade, crescer e orgulhar-se do legado que lhes deixamos”, afirma no comunicado Paulo Cunha.

A autarquia destaca também o investimento empresarial privado no concelho, considerando que é “sinal evidente do reforço da competitividade do território”. “Através do Regulamento de Projetos de Investimento de Interesse Municipal aprovaram-se investimentos na ordem dos 70 milhões de euros que, à medida que vão sendo materializados, confirmam o forte impacto na geração de riqueza e na criação de emprego”, lê-se.

Segundo o autarca, 2016 foi “um passo em frente no caminho do desenvolvimento, da qualidade de vida dos cidadãos e da afirmação de Vila Nova de Famalicão”.

“Importa não esquecer que foi devido a essa boa gestão e às nossas políticas socialmente equilibradas que o Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis nos atribuiu novamente o título de Município Amigo das Famílias e que a Universidade do Minho, através da sua plataforma UM-Cidades, nos declarou Município do Ano 2016 da Região Norte, pelas boas práticas desenvolvidas”, enumerou.

Os números do desemprego são também referidos, lembrando que Vila Nova de Famalicão terminou 2016 com uma taxa de desemprego de 8,05%, significativamente abaixo da média nacional (10,5%). “A verdade é que através do programa Famalicão Made IN criámos um ecossistema que facilita o desenvolvimento empresarial que torna as empresas famalicenses cada vez mais fortes, ao mesmo tempo que tem captado novos investimentos para o concelho. Os resultados falam por si”, diz o autarca.