A autoridade de saúde reúne-se sexta-feira com vários organismos e associações para definir o local e disponibilização de tratamento preventivo da hepatite A, cujo surto em Portugal regista até ao momento 123 casos, segundo o diretor-geral da Saúde.

Segundo Francisco George, a reunião irá contar com a participação da Direção-Geral da Saúde (DGS), do organismo que regula o setor do medicamento (Infarmed), da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), da associação ILGA Portugal – Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero e do Grupo de Ativistas em Tratamentos (GAT). De acordo com o diretor-geral da Saúde, o tratamento preventivo incluirá a administração da vacina, em moldes a definir, mas também outras medidas.

O médico do GAT Diogo Medina disse à Lusa que este encontro é um “importante passo” para a resolução deste surto, tendo em conta que “o surto epidémico em Portugal é o mais grave, em números, da Europa ocidental, muito superior ao surto em Espanha, Holanda e em outros países”.

De acordo com o médico, a distribuição do tratamento preventivo deverá ter duas frentes: os homens que têm sexo com outros homens e os familiares e contactantes dos infetados.

Segundo a DGS, desde 1 de janeiro foram notificados 123 casos de hepatite A.