A seguradora Lloyd’s of London vai abrir uma delegação em Bruxelas no início de 2019 para fazer face à saída do Reino Unido da União Europeia, anunciou esta quinta-feira o grupo britânico. “Na sequência da decisão do Reino Unido em abandonar a União Europeia, uma delegação vai ser aberta em Bruxelas e pretende-se que esteja operacional no dia 2 de janeiro de 2019”, refere o Lloyd’s na comunicação anual de resultados.

Segundo o Guardian, a maior seguradora do mundo irá transferir 100 dos 600 postos de trabalho que tem em Londres para Bruxelas. Ainda assim, a sede do Lloyd’s of London irá continuar na capital britânica.

O grupo Lloyd’s, que não indicou os eventuais efeitos que o Brexit pode vir a provocar nos postos de trabalho da companhia, tem repetido ao longo dos últimos meses que, devido ao resultado do referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, “algumas operações iriam ser deslocalizadas”.

“É importante que sejamos capazes de dar ao mercado e aos clientes uma solução eficaz, isto é, que o negócio pode continuar sem interrupção quando o Reino Unido sair da União Europeia”, afirmou Inga Beale, presidente-executiva da Lloyd’s. O grupo acrescenta que a nova delegação de Bruxelas vai garantir seguros de risco nos 27 países da União Europeia, depois da saída do Reino Unido. Na quarta-feira, nove meses após o referendo que deu a vitória ao Brexit a primeira-ministra britânica ativou o artigo 50 do Tratado de Lisboa, o que significa que o Reino Unido se prepara para abandonar a União Europeia em 2019.

A Lloyd’s of London é a seguradora mais antiga do mundo. Fundada em 1688, começou num café onde se encontravam comerciantes e proprietários de navios, bem no coração da ‘city’.