A produção industrial aumentou 2,1% em fevereiro face ao mesmo mês de 2016, mas abrandou face ao crescimento registado em janeiro, quando subiu 3,4%, divulgou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“O índice de produção industrial registou uma variação homóloga de 2,1%, 1,3 pontos percentuais inferior à observada em janeiro”, que foi de 3,4%, informa o INE.

O agrupamento de energia teve uma subida homóloga de 9,7% em fevereiro, o que fez com que o contributo deste setor (1,6 pontos percentuais) tenha sido “o mais influente” para a subida homóloga do índice agregado. Também os agrupamentos de bens intermédios e de bens de consumo apresentaram contributos positivos, de 0,9 e 0,3 pontos percentuais, respetivamente, “originados por variações homólogas de 2,3% e 1% (2,9% e 3% em janeiro), pela mesma ordem”, refere o INE.

Já o agrupamento de bens de investimento registou a única taxa de variação negativa (-4,5%, 6,8% no mês anterior), da qual resultou um contributo de -0,7 pontos percentuais para o índice agregado. Em termos mensais, o índice de produção industrial registou uma queda de 0,7% em fevereiro (0,4% em janeiro), com o agrupamento de energia a ser o que mais contribuiu para a variação negativa do índice total (em -0,4 pontos percentuais), depois de uma descida mensal de 2,2% (-2,6% no mês anterior).

Os agrupamentos de bens intermédios e de bens de investimento apresentaram ambos contributos de -0,2 p.p., originados por descidas mensais de 0,6% e 1,4%, respetivamente, (3,6% e -3,7% em janeiro, pela mesma ordem), termina o INE.