Angola

Angola movimenta tropas junto fronteira com RDCongo para prevenir ataques de milícias

Angola movimentou algumas unidades militares junto à fronteira com a República Democrática do Congo, onde se têm registado nos últimos dias ataques de milícias congolesas a postos fronteiriços.

A vizinha República Democrática do Congo tem registado nos últimos dias ataques de milícias a postos fronteiriços

Joost De Raeymaeker/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Angola movimentou algumas unidades militares junto à fronteira com a República Democrática do Congo (RDCongo), no município do Chicapa, província angolana da Luanda Sul, onde se têm registado nos últimos dias ataques de milícias congolesas a postos fronteiriços.

Segundo informação do comandante do exército, general Marques Correia Mbanza, as autoridades angolanas estão a acompanhar com muita atenção a situação, que está sob controlo. As autoridades angolanas criaram uma comissão multissetorial que está a trabalhar, informou ainda Marques Correia Mbanza, salientando que as milícias têm estado a desenvolver ações contra os postos das autoridades congolesas.

Mas a nossa Polícia de Guarda Fronteira tem as Forças Armadas Angolanas à sua retaguarda. Naturalmente, tivemos que aproximar algumas unidades mais próximo da fronteira, para apoiar a nossa Polícia de Guarda Fronteira no caso de qualquer situação”, disse.

Marques Correia Mbanza reforçou que até ao momento a situação está sob controlo, frisando que as autoridades congolesas movimentaram igualmente unidades para a região de Chicapa, para desenvolverem ações ao longo da fronteira e garantirem estabilidade ao longo da fronteira comum. “Por isso a situação está sob controlo”, reiterou.

A vizinha República Democrática do Congo tem registado nos últimos dias ataques de milícias a postos fronteiriços, o que tem causado igualmente uma vaga de refugiados, acolhidos por Angola, num número superior a 300 pessoas, na sua maioria crianças, que se encontram deste o início de março, na província angolana da Luanda Norte.

O Governo angolano criou uma comissão multissetorial para garantir assistência logística aos refugiados congoleses, provenientes da região congolesa do Kassai Central.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)