Rádio Observador

Novo Banco

Estado dá garantia de quatro mil milhões para Lone Star comprar Novo Banco

1.601

Lone Star vai controlar 75% do Novo Banco após injeção de mil milhões de euros. Estado cobre riscos de crédito com garantia de quatro mil milhões. Governo sempre garantiu que não concederia garantias.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Estado deverá anunciar nas próximas horas a compra de 75% do Novo Banco por parte do Lone Star. O fundo deverá comprometer-se com a injeção de mil milhões de euros no capital do banco, ficando o Estado com 25% das ações através do Fundo de Resolução (um organismo da esfera pública, que é gerido pelo Banco de Portugal com contribuições financeiras da banca). O jornal digital Eco, citando fontes próximas das negociações entre as partes, adianta esta quinta-feira que o Estado, via Fundo de Resolução, prestará uma garantia de perto de quatro mil milhões de euros sobre os ativos “problemáticos” — ativos que estão no denominado side bank.

Estas garantias foram, até aqui, o principal ponto de discórdia entre Banco de Portugal e Lone Star para a conclusão do negócio. O próprio ministro das Finanças Mário Centeno alertou que não poderia haver uma garantia do Estado. Mas, a confirmar-se este modelo, o Governo pode argumentar que a garantia não é diretamente prestada pelo Estado mas, sim, pelo Fundo de Resolução, pelo que a responsabilidade última é dos bancos.

O problema é que o Fundo de Resolução não tem dinheiro, portanto, poderá haver necessidade de usar fundos públicos para emprestar ao Fundo de Resolução para que se suportem perdas. No fundo, o mesmo que aconteceu com a resolução do BES — um empréstimo público do Estado para o Fundo de Resolução, para pagar boa parte do capital injetado. Os bancos terão de reembolsar este empréstimo, mas a um ritmo controlado (200 milhões por ano) e com prazos que acabam de ser prolongados para 30 anos.

A ideia é que novas utilizações de dinheiro dos contribuintes sejam faseadas, evitando concentrar as necessidades num só ano e, assim, podendo penalizar a execução orçamental. Segundo o Negócios, o reconhecimento de imparidades no “side bank” poderá acontecer, sobretudo, ao longo do exercício de 2018, pelo que os empréstimos estatais devem ser incidir no ano seguinte, 2019.

Antes mesmo de ter início o novo processo de venda do Novo Banco (em janeiro do ano passado) procedeu-se à divisão do banco entre o que é a operação “core” e um “side bank” — que integra os ativos maus e outros créditos e operações que não são considerados na operação central do Novo Banco. No final do ano, este “side bank” encontrava-se avaliado em quase nove mil milhões de euros.

É verdade que o Estado (detentor que será de somente 25% do capital do Novo Banco) não terá direito a voto nem administradores, mas a garantia de quatro mil milhões que vai prestar permitir-lhe-á ter voto na matéria quando à venda do “side bank”, noticia o Eco. A intenção do Estado português é que o fundo Lone Star seja impedido de vender os ativos problemáticos sem controlo de quem presta a garantia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crescimento Económico

Como vai o motor da nossa economia?

Luís Ribeiro

Estamos a viver “à sombra da bananeira” de uma alta imobiliária que alguns consideram já ser mais uma “bolha” do que um “boom”. É uma ilusão que se esfuma facilmente e é incapaz de arrastar a economia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)