A Organização Internacional para as Migrações (OIM) indicou esta sexta-feira que foram salvas por uma organização não-governamental alemã as 146 pessoas que se pensava que tinham morrido esta semana num naufrágio no Mediterrâneo.

Na quarta-feira, o porta-voz da OIM em Itália, Flavio Di Giacomo, escreveu na rede social Twitter: “Levado ontem para (a ilha italiana de) Lampedusa um jovem gambiano socorrido no mar, único sobrevivente de um naufrágio que provocou 146 desaparecidos”.

O homem foi resgatado no Mediterrâneo por uma embarcação que integra a operação europeia “Sofia” e transportado depois pela Guarda Costeira italiana para um porto em Lampedusa. O jovem disse ao pessoal que o atendeu que tinha partido dois dias antes com outras 146 pessoas de Sabratha, no noroeste da Líbia, e que a embarcação começou a afundar-se algumas horas após a partida, tendo sobrevivido ao agarrar-se a um recipiente para combustível.

O porta-voz da OIM, Joel Millman, disse esta sexta-feira em conferência de imprensa que naquela altura o jovem estava meio inconsciente e não sabia exatamente o que se tinha passado. A OIM foi investigar e concluiu que as pessoas que viajavam na mesma embarcação foram salvas por uma ONG alemã.

Desde o início do ano e até 29 de março chegaram à Europa por via marítima 27.850 migrantes, tendo 655 morrido no mesmo período, indicou esta sexta-feira a OIM em comunicado.