O centro de arte moderna Georges Pompidou, em Paris, está este sábado encerrado, pelo sexto dia consecutivo, devido a uma greve dos seus trabalhadores.

A paralisação abrange entre 100 e 300 trabalhadores, de um total de mil funcionários do centro, que protestam contra a alteração do seu estatuto laboral pelo Governo socialista francês.

Os trabalhadores em greve não aceitam ser considerados como funcionários públicos, como prevê a lei do Governo socialista, porque esse estatuto implicaria uma redução de 20% dos seus salários.

A paralisação está a ter mais impacto nos postos de segurança do centro, que alberga um dos museus de arte contemporânea mais prestigiados do mundo, causando um prejuízo de milhares de euros por dia.

O protesto pode prolongar-se por mais dias se os sindicatos e o Governo não chegarem a acordo.