Internet

As notícias sobre a morte da televisão são manifestamente exageradas? Talvez não

Os 'millennials' (menores de 35 anos) assistem a cada vez menos televisão, optando pelas plataformas de "streaming", como o Netflix. E isto pode ser o fim da "caixinha mágica" como a conhecemos.

Keystone/Getty Images

Ainda se recorda dos Buggles? Video Killed the Radio Star? Essa, essa. Na verdade quem “deu à sola” foi a banda britânica — e a rádio por cá continua até hoje a emitir. Agora o paradigma é outro: a Internet é que está a “matar” a televisão. Mas também a rádio e tudo em volta, qual eucalipto que lhes seca a publicidade e as deixa a definhar pouco a pouco.

Quem o garante é a Deloitte. Um estudo da consultora conclui que os ‘millennials’ (os nascidos entre meados dos anos 1990 e o ano 2000) interessam-se cada vez menos pela televisão. E, se o futuro é deles, o presente diz-nos que quando o tal futuro chegar por fim estes não quererão saber da caixinha (hoje cada vez mais fina) que mudou o mundo para nada. Zero.

Muitos dos jovens consultados para o estudo disseram que só assistiam à televisão quando viviam em casa dos país, porque estes também o faziam. Para eles [jovens] a televisão é apenas um aparelho mais. Eles têm a Internet, têm o computador, o smartphone… Não pensam na televisão como os pais pensavam”, explica Nichole Becker, vice-presidente da Defy Media — plataforma focada na criação e distribuição de conteúdos digitais para ‘millennials’ –, ao jornal espanhol El Confidencial.

Hoje, e cada vez mais, estes ditos ‘millennials’ querem uma plataforma de streaming por perto e um dispositivo (que pode ser uma televisão, sim, mas não uma estação de televisão; não confundamos o aparelho com o que nele é transmitido) onde assistir aos conteúdos. Porquê? As razões são essencialmente duas: sedentarismo e poder. O poder de decidir o que querem ver, quando querem e até quanto. “[Os ‘millennials’] dizem do Netflix, por exemplo, que é infinito e sem limites. Não precisam de ir ao cinema. Não precisam de ter qualquer tipo de trabalho. Só precisam de ver a série durante horas e horas”, explica Nichole Becker.

Num tempo em que as receitas de publicidade ditam quem resiste e quem desaparece, televisão e Internet passam por problemas. A televisão desde logo porque viu a sua publicidade (ou parte significativa dela) derivar para a Internet. A Internet porque tem cada vez mais utilizadores com Adblock instalado — o que é o mesmo que dizer que a publicidade existe, sim, mas é bloqueada e não gerará receitas para os respetivos sites.

Como contornar isto? A Internet sabe como, a televisão não. A vice-presidente da Defy Media explica: “Os anúncios tradicionais [na televisão], os pequenos anúncios [na Internet] antes dos vídeos ou o banner de publicidade na redes sociais… os jovens não querem nada disso. É quase invisível para eles. E quando não é, veem-nos como uma obstáculo que os atrasa — o que não é bom para o anunciante. Os bloggers, por exemplo, testam produtos de que gostam [a isto se chama “publicidade nativa”, ou seja, publicidade que não aparente ser — mas é]. As sugestões por pessoas que estão na área de influência dos jovens estão a registar as melhores estatísticas”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

#PortugalMaisDigital!

Rogério Campos Henriques

É importante existir um movimento que incentive a utilização dos recursos digitais existentes na sociedade por todos os cidadãos, de forma consciente e informada. E este é o grande propósito do MUDA.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)