Obrigado por ser nosso assinante. Beneficie de uma navegação sem publicidade intrusiva.

O jogador do Canelas 2010, Marco Gonçalves, que agrediu o árbitro da partida com uma joelhada, foi constituído arguido e ficou com termo de identidade e residência. O Ministério Público tomou assim a decisão de aplicar a medida de coação mais leve que resultou numa sessão à porta fechada no tribunal de Gondomar esta manhã de segunda-feira. A medida aplicada foi anunciada à comunicação social pelo advogado Nelson Sousa. Este limitou-se a anunciar a medida de coação, tendo-se recusado a prestar mais mais declarações sobre o caso.

Sabe-se também que árbitro José Rodrigues, que foi agredido, terá de ser submetido a uma cirurgia reconstrutiva ao nariz, que ficou partido em três sítios na sequência da agressão, de acordo com o jornal Expresso. Recorde-se que o jogo entre o Canelas e o Rio Tinto terminou apenas com cinco minutos de partida jogada depois de José Rodrigues ter mostrado um cartão vermelho a Marco Gonçalves. Este não terá gostada da ação disciplinar e agrediu violentamente o árbitro da partida.

As alegadas ameaças a Artur Soares Dias

Segundo o Correio da Manhã que cita uma publicação da conta pessoal (entretanto fechada) de Marco Gonçalves no Facebook, este terá participado nas ameaças ao árbitro Artur Soares Dias, em janeiro passado. Marco Gonçalves, membro da claque Super Dragões e muito próximo do líder Fernando Madureira escreveu na rede social aquando dos acontecimentos de janeiro: “Foi preciso ir há(sic) maia para serem corretos e dignos. Sem árbitros estes filhos da p* ganham merda nenhuma c*. ((Benfiquistas filhos duma p*))”.

Segundo o mesmo jornal e constatado depois na rede social do jogador do Canelas 2010, este também fazia parte da SPDE, empresa de segurança ilegal, que está a ser alvo e investigação. Pinto da Costa, presidente do FC Porto, é arguido nesse caso.

Jogador diz que não se lembra da agressão. Mas já foi expulso da equipa