Rádio Observador

Bloco de Esquerda

Novo Banco. Bloco marca debate de atualidade sobre processo de venda

Coordenadora do BE vai marcar para quarta-feira um debate parlamentar sobre o processo de venda do Novo Banco, defendendo também que o Governo deve levar o assunto a votos na Assembleia da República.

JOSÉ COELHO/LUSA

A coordenadora do BE anunciou esta segunda-feira que vai marcar para quarta-feira um debate parlamentar de atualidade sobre o processo de venda do Novo banco, defendendo também que o Governo deve levar o assunto a votos na Assembleia da República.

Temos dito e repetido, o Governo deve levar este negócio ao parlamento, pela nossa parte já na quarta-feira garantimos que o parlamento vai ter um debate sobre o tema, mas não chega, este é só um primeiro passo. Nós achamos que o Parlamento deve votar esta decisão”, disse Catarina Martins em São Mamede Infesta, Matosinhos.

“Esta decisão não pode ser tomada à margem dos parlamento, o parlamento tem de ter uma palavra sobre o que está a ser decidido. São muitos milhares de milhões de euros dos contribuintes, são muitas responsabilidades para o futuro, são muitas responsabilidades que ficam para governos futuros pagarem, eu acho que ninguém compreende no país que essa decisão possa ser tomada à margem da Assembleia da República”, afirmou.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, que falava à margem de uma visita a uma repartição de finanças de Matosinhos, a convite do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, para denunciar “a falta de gente e de condições” nestes serviços públicos, frisou que “esta entrega do Novo Banco à Lone Star, é um erro”. Para Catarina Martins “é bom conhecer-se os termos da oferta do Novo Banco ao Lone Star”, salientando que “nos últimos anos, os portugueses pagaram 13 mil milhões de euros para a banca e em Portugal cada vez há menos bancos.

“O Banif foi entregue ao espanhol Santander, o BPN foi entregue aos angolanos do BIC, tivemos entretanto, por outras formas, o BCP controlado pelo capital chinês da Fosun, e o BPI controlado pelo capital catalão do Caixa Bank. Eu pergunto se nós achamos mesmo agora que o Novo Banco deve ser controlado pelos americanos da Long Star?”, sustentou.

Em seu entender, “a hipótese da nacionalização, que o BE pôs em cima da mesa desde o primeiro momento, era uma hipótese que não ficava mais cara, pelo contrário, a prazo ficaria mais barata do que a hipótese da entrega ao fundo da Lone Star”.

“O Estado vai estar sempre a pagar, pagou no passado, vai pagar no futuro, e a Lone Star não paga nada. É impossível a nacionalização ficar mais cara do que este negócio ruinoso e, portanto, a nacionalização não só não ficava mais cara, como, pelo menos os contribuintes, podiam mandar nalgum dos bancos que já pagaram. O nosso país não ficava tão desprotegido, tão vulnerável, como está neste momento”, afirmou.

A venda do Novo Banco ao fundo de investimento norte-americano Lone Star foi anunciada na passada sexta-feira pelo governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, em conferência de imprensa, tendo sido explicada horas mais tarde pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelo ministro das Finanças, Mário Centeno. O grupo norte-americano Lone Star vai realizar injeções de capital no Novo Banco no montante total de 1.000 milhões de euros, dos quais 750 milhões de euros logo no fecho a operação e 250 milhões de euros até 2020, anunciou o governador do Banco de Portugal, confirmando a venda e assinatura dos documentos contratuais por parte do Fundo de Resolução.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)