Agricultura

Portugal tem a quarta maior superfície de produção de uva, mas longe dos três primeiros

As vinhas em Portugal representam 9% do total da União Europeia, a quarta maior superfície depois da Espanha (30%), da França (25%) e da Itália (19%).

Em Portugal a produção de vinhos de qualidade atinge 87,8% do total, acima da média da UE (78,2%)

Miguel A.Lopes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As vinhas em Portugal representam 9% do total da União Europeia (UE), a quarta maior superfície depois da Espanha (30%), da França (25%) e da Itália (19%), sendo que estes três países concentram quase três quartos do total da UE, divulga o Eurostat. Em termos de superfície de exploração vitícola, e segundo dados de 2015, em Espanha há 941 mil hectares, em França 803 mil, em Itália 610 mil hectares, em Portugal 199 mil, na Roménia 184 mil (6% do total da UE) e na Grécia e Alemanha cerca de 103 mil hectares cada (3%).

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, a Roménia é o país com maior número de explorações vitícolas (855 mil, 36% do total), seguindo-se a Espanha (518 mil, 22%), a Itália (299 mil, 12%), Portugal (212 mil, 9%) e a Grécia (189 mil, 8% do total).

No que respeita à superfície média por exploração, a França registou a maior, com 10,5 hectares, seguindo-se o Luxemburgo com 4,0 hectares, a Áustria (3,1 hectares), o Reino Unido (3,1) a Alemanha (2,4), a Itália e a Eslováquia (2,0 cada), a Espanha e a Hungria (1,8 hectares cada).

As menores superfícies médias por exploração foram identificadas na Roménia (0,2 hectares), em Malta (0,3 hectares), na Croácia (0,4 hectares), na Grécia, em Chipre e na Eslovénia (0,5 cada) e em Portugal (0,9 hectares).

Em relação à qualidade do vinho produzido, a Alemanha e o Luxemburgo dedicam a totalidade das suas vinhas à produção deste vinho de qualidade, seguindo-se o Reino Unido (99,9%), a República Checa (99,8%), a Áustria (99,7%) e a Eslovénia (99,3%).

Em Portugal a produção de vinhos de qualidade atinge 87,8% do total, acima da média da UE (78,2%).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)