Rádio Observador

Petrobras

Petrobras adota novas regras para vender ativos no valor de 21 mil milhões

A petrolífera brasileira Petrobras planeia vender ativos no valor de 21 mil milhões de dólares nos próximos dois anos, adotando procedimentos mais transparentes.

No final do mês passado, a Petrobras apresentou um prejuízo líquido de 4,4 mil milhões de euros

MARCELO SAYAO/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A petrolífera brasileira Petrobras planeia vender ativos no valor de 21 mil milhões de dólares nos próximos dois anos, adotando procedimentos mais transparentes para cumprir com as diretivas da justiça brasileira e parando todos os negócios por concluir.

De acordo com a Petróleo Brasileiro (Petrobras), todos os negócios que não estejam já concluídos foram suspensos e serão revistos para decidir se serão ou não incluídos na nova lista de ativos a alienar.

O maior negócio a ser, para já, cancelado, foi a venda da rede de venda de combustíveis BR Distribuidora, para além da possível alienação de poços de petróleo quer ao largo do Brasil, quer em terra, segundo a agência de informação financeira Bloomberg.

No princípio deste mês a auditoria judicial em curso tinha forçado a empresa a ser mais transparente na seleção dos parceiros comerciais e das propostas de negócio antes de continuar com a estratégia de alienação de ativos não estratégicos adotada para reduzir a dívida empresarial, a maior de qualquer petrolífera à escala mundial.

Só no ano passado a companhia liderada por Pedro Parente vendeu ativos no valor de 13,6 mil milhões de dólares, recolhendo o elogio dos investidores.

No final do mês passado, a Petrobras apresentou um prejuízo líquido de 4,4 mil milhões de euros, o que torna 2016 no terceiro ano consecutivo em que a Petrobras apresentou resultados negativos.

No ano anterior, a estatal brasileira registou um prejuízo de 34,8 mil milhões de reais (10,4 mil milhões de euros), enquanto em 2014 as perdas da empresa chegaram a 21,6 mil milhões de reais (6,4 mil milhões de euros).

O endividamento líquido da companhia caiu 20%, passando de 392 mil milhões de reais (117,4 mil milhões de euros) em 2015 para 314 mil milhões de reais (94 mil milhões de euros) no final de 2016.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)