A diretora do gabinete da Amnistia Internacional nas Nações Unidas aponta a “completa inação” de António Guterres, que vai assinalar na terça-feira os seus primeiros 100 dias como Secretário-Geral da ONU. As críticas apontadas ao ex-primeiro-ministro passam pela maneira como tem lidado com as guerras do Iémen e da Síria e com a expansão dos colonatos israelitas.

“Uma das principais áreas, para nós, é o conflito do Iémen”, disse Sherine Tadros à agência Lusa. “Ele [Guterres] disse que este é um dos principais temas que iria atacar e ouvimos coisas muito positivas sobre a forma como gosta de se envolver pessoalmente na mediação. No entanto, não vimos nada.”

“Não vimos qualquer ação, quaisquer esforços tangíveis. Apesar das viagens que ele fez à região há uns meses, logo no início do seu mandato”, realçou Sherine Tadros, britânica de origem egípcia que assumiu a liderança do gabinete da Amnistia Internacional na ONU em 2016.

As agências da ONU têm reportado o Iémen como “o maior desastre humanitário” que têm em mãos, com várias áreas em situação de fome e uma ameaça de fome generalizada.

“O que está ele a fazer para pressionar a Arábia Saudita, a coligação [árabe] para parar esta guerra? O que está ele a fazer para mediar entre os huthis [rebeldes] e os sauditas? Não vemos esforços”, afirmou a antiga jornalista.

O governo do Iémen, apoiado por uma coligação árabe liderada pela Arábia Saudita, tem vindo a combater uma insurreição armada de rebeldes huthis (apoiados pelo Irão) pelo controle do país. Desde 2015, a guerra já fez mais de 7 mil mortos.

Diretora da AI na ONU “desiludida” por causa dos colonatos israelitas

Sherine Tadros também se mostrou “desiludida” com a ação de Guterres na questão dos colonatos israelitas em Gaza, nomeadamente quanto à resolução 2334, adotada pelo Conselho de Segurança da ONU no final do ano passado e que condena a ação israelita.

“Em vez de apresentar um relatório escrito sobre a falta de aplicação da resolução por parte de Israel, o Secretário-Geral mandou um dos seus enviados fazer um ‘update’ oral — sem nada escrito — aos membros do Conselho de Segurança”, criticou Sherine Tadros. Para Tadros “isto mostra que Guterres não usou na totalidade os poderes que lhe foram dados pela resolução para trazer Israel à responsabilidade”.

Sobre a questão da Síria, Tadros considera que “mais uma vez vimos Guterres a dizer todas as coisas certas e a exigir moderação”. “Mas ainda está por ver como é que ele poderá ajudar a unir o Conselho de Segurança. Esta é a guerra que define [a futura prevenção de conflitos]. Tem de haver ação, se não num cessar-fogo, pelo menos na questão dos refugiados”, apelou.

António Guterres pede prioridade para o fortalecimento do “poder das mulheres”

Por outro lado, a Amnistia Internacional — que considera “muito positivo” o envolvimento de Guterres com a sociedade civil — destacou, sobretudo, “o compromisso de Guterres quanto à igualdade de género”. “Aqui tem sido mais do que palavras. Temos visto ação”, disse Sherine Tadros, dando como exemplo a nomeação de três mulheres para cargos de muito alto nível no gabinete executivo.