Os ministros dos Negócios estrangeiros do G7 terminam esta terça-feira em Itália a reunião onde estão a abordar o alegado ataque químico na Síria e a resposta dos EUA, e a pressionar a Rússia para terminar o seu apoio ao Presidente Bashar al-Assad. Na semana passada, na sequência do ataque químico protagonizado por aviões sírios sobre a cidade rebelde de Khan Sheikhoun, que vitimou mais de 80 pessoas, o Presidente dos EUA Donald Trump ordenou uma ação militar contra as forças sírias, considerado o primeiro desde o início da guerra em 2011.

Navios de guerra norte-americanos dispararam 59 mísseis de cruzeiro em direção à base síria de onde, segundo os EUA, terá sido desencadeado o ataque. O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse na reunião de segunda-feira que o seu país vai punir “todos aqueles” que cometam “crimes contra pessoas inocentes”.

O encontro na cidade de Lucca, na Toscânia, junta os chefes da diplomacia dos sete países mais industrializados do mundo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI): Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Japão, Canadá e da anfitriã Itália, para além da representação da União Europeia. Em 2014 a Rússia foi expulsa do grupo na sequência da anexação da Crimeia.