Rádio Observador

Beja

Beja. Aeroporto faz seis anos, mas serve quase só para estacionar aviões

O aeroporto de Beja, que custou 33 milhões de euros e foi inaugurado há seis anos, serve quase só para estacionamento e manutenção de linha de aviões.

Entre 2011 e 2013, foram realizadas várias operações "charter" resultantes de acordos com entidades regionais e operadores turísticos

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O aeroporto de Beja, que custou 33 milhões de euros e foi inaugurado há seis anos, serve quase só para estacionamento e manutenção de linha de aviões de algumas companhias aéreas, segundo a empresa concessionária. Atualmente, o aeroporto “funciona fundamentalmente como plataforma giratória entre operações para alguns operadores aéreos” e, neste contexto, o estacionamento e a manutenção de linha de aviões “assumem um papel de algum relevo”, refere a ANA – Aeroportos de Portugal, em informações prestadas à agência Lusa.

“Adicionalmente”, são processados “regularmente” voos de aviação privada e com “um caráter esporádico” alguns voos charter, refere a ANA, que faz um balanço “positivo” da estratégia de promoção da utilização do aeroporto de Beja para estacionamento de média-longa duração de aeronaves, frisando que a infraestrutura já é a base de operações de parte da frota de aviões das companhias aéreas Hi Fly e euroAtlantic airways.

Em 2016 e nos primeiros três meses deste ano existiram períodos em que a procura por parte das companhias aéreas foi “superior à oferta” de estacionamento disponível no aeroporto de Beja, “o que indicia um potencial de crescimento futuro neste segmento de negócio”, salienta a ANA.

Desde que começou a funcionar, faz esta quinta-feira seis anos, o aeroporto de Beja processou “mais de 8.500 passageiros e mais de 800 movimentos” de aeronaves de “várias dezenas” de operadores aéreos, a maioria de operações “charter” não regulares. “A região Alentejo ainda não dispõe de um mercado com dimensão suficiente para viabilizar a existência de fluxos turísticos e de carga que viabilizem operações aéreas com caráter regular”, refere a ANA, sublinhando que “ninguém voa para um aeroporto”.

“Voa-se para um destino e o destino Alentejo não está consolidado. Enquanto isso não acontece, não faz sentido continuar-se a falar no aeroporto de Beja apenas pela insuficiência de passageiros”, defende a ANA, indicando que, neste momento, aposta noutras “possibilidades de negócio”, como o estacionamento de média-longa duração e a manutenção de aviões.

Segundo a ANA, “o aeroporto de Beja vai continuar a apostar, no curto-médio prazo, na sua consolidação como plataforma de baseamento de companhias aéreas, no reforço da aviação privada, na captação de operações ´charter` e na radicação de investimentos em atividades que lhe confiram sustentabilidade futura e sejam geradores de postos de trabalho para a região”.

“Esta linha de ação deverá prevalecer até que alguns elementos indutores de geração de tráfego associados ao contexto de desenvolvimento do Alentejo revelem a robustez necessária para que o tráfego de passageiros e de carga seja uma realidade”, indica a ANA.

O aeroporto, “apesar das dificuldades de contexto, tem vindo a assistir ao longo dos anos, principalmente desde 2016, a uma evolução muito positiva do seu quadro de operação”, refere a ANA, esperando que “tal se venha a manter” durante este ano. A ANA lembra que o aeroporto de Beja foi construído por iniciativa do Estado num “contexto temporal de risco” e com base em “critérios de natureza política e não financeira” e, por isso, não é adequado, “em momento algum”, fazer um balanço em termos operacionais ou económicos da infraestrutura.

Entre 2011 e 2013, foram realizadas várias operações “charter” resultantes de acordos com entidades regionais e operadores turísticos, mas a “diminuta procura” ao nível do tráfego de passageiros e carga levou a ANA a reajustar a estratégia para o aeroporto direcionando-a para outros segmentos de negócio. A ANA refere que está “a assumir, na plenitude, todas as responsabilidades e obrigações decorrentes do contrato de concessão em vigor”, “tem mantido contatos estreitos” com companhias aéreas e “promove, de forma contínua, contatos regulares com potenciais investidores”.

O aeroporto de Beja, que custou 33 milhões de euros e resulta do aproveitamento civil da Base Aérea n.º 11, começou a operar a 13 de abril de 2011, quando se realizou o voo inaugural, mas, desde então, apesar de aberto, tem estado praticamente vazio e sem voos e passageiros na maioria dos dias.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)