A United Airlines volta a ser notícia e, de novo, por más razões: um passageiro denunciou a sua “expulsão” de um outro voo na semana passada que se encontrava sobrelotado. O motivo: a outra pessoa que teria o mesmo lugar seria “mais importante”.

O caso que vem agora a público aconteceu na passada semana, ainda antes do caso controverso que se tornou público esta semana, quando um passageiro foi retirado à força já do interior de um avião da United Airlines.

Agora surge a denúncia de outro caso semelhante. Geoff Fearns embarcou num voo da United no Hawai com destino à Califórnia, em primeira classe. O El País, que cita os meios de comunicação norte-americanos, conta que Geoff já estava acomodado no seu lugar quando um funcionário o abordou e lhe pediu para deixar o seu lugar porque este teria de ser ocupado por outra pessoa. O lugar estava destinado a “alguém mais importante que chegou à última da hora”, contou Geoff Fearns.

Disseram-me que tinham uma lista de prioridades e que esta pessoa estava num lugar mais elevado que eu”, contou.

Quando apresentou resistência para sair do seu lugar, ameaçaram que lhe colocariam algemas se fosse necessário. No final, a companhia acabou por conceder-lhe um lugar em económica e o homem fez a viagem até à Califórnia num lugar que não tinha sido escolhido por si.

Depois do sucedido, Geoff Fearns escreveu ao presidente-executivo da United Airlines, Oscar Muñoz. O passageiro relatou o sucedido e exigiu a devolução integral da sua passagem em primeira classe que não chegou a usufruir. E juntou outro pedido: a doação de 25 mil dólares (cerca de 23 mil euros) por parte da United a uma organização sem fins lucrativos.

A resposta não tardou. O dinheiro pedido vai ser doado e ainda foi oferecido ao passageiro a diferença monetária do bilhete de primeira classe que comprou e o lugar em económica que acabou por ter de ocupar. Mais: 500 dólares foram ainda disponibilizados a Geoff para que gastar numa futura viagem com a companhia.

Este caso, apesar de não ter tido contornos violentos, fez relembrar o caso que aconteceu domingo passado quando um passageiro, que voava com a mesma companhia aérea, foi retirado à força do seu lugar. O motivo é no entanto o mesmo: overbooking’, situação que há sobrelotação dos voos, ou seja, os bilhetes vendidos são em número superior aos lugares disponíveis no avião.

Para saber quais os seus direitos se for confrontado com um caso semelhante, leia algumas recomendações neste artigo: