Dark Mode 135kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Vídeo. Emirates responde à letra à United Airlines

A United Airlines continua a enfrentar uma vaga de reações do público, mas também de outras companhias. A última foi a Emirates com um vídeo a responder à letra à empresa norte-americana.

i

AFP/Getty Images

AFP/Getty Images

A expulsão de um passageiro num voo da United Airlines, no início da semana, por overbooking (venda de mais bilhetes do que lugares disponíveis), continua a dar muito que falar. Depois de centenas de clientes da companhia aérea exigirem a demissão do presidente da empresa, Oscar Munoz, o líder da United Airlines já veio garantir, em entrevista à ABC, que não se demitirá, ao mesmo tempo que assegurou que uma situação semelhante “nunca mais acontecerá num voo da United Airlines”.

Mas as reações não se ficaram por aqui. Esta quarta-feira, a Emirates, uma das mais importantes companhias aéreas do mundo, publicou um vídeo no Twitter em resposta à United. Em apenas 35 segundos, o vídeo começa por recordar uma frase de Oscar Munoz, presidente da companhia americana, dita em março deste ano: “Essa companhia aérea do Golfo não é uma companhia a sério”, declarou então.

A resposta vem logo de seguida. “Bom, sr. Munoz, de acordo com o Tripadvisor, o maior site de viagens do mundo, não só somos uma companhia a sério como somos a melhor companhia”, continua o vídeo, enumerando os diversos prémios que tem recebido. E conclui: “Viaje pelos céus amigos, desta vez de verdade”, numa clara referência à expulsão do passageiro da United Airlines.

O vídeo publicado pela Emirates nas redes sociais

Empresa tenta gerir crise… mas nem sempre bem

Munoz já veio admitir que a situação que aconteceu com o passageiro naquele voo entre Chicago e Louisville é intolerável, reconhecendo que sente “vergonha e constrangimento” pelo sucedido. Mas garante que se vai manter à frente da empresa: “Fui contratado para tornar a United Airlines melhor, é isso que tenho feito e é isso que vou continuar a fazer”.

Os pedidos de desculpa da parte de Munoz, na verdade, têm vindo a multiplicar-se. O primeiro, logo no dia em que o caso veio a público, foi curto e, segundo uma análise da Quartz, falhou no objetivo. “Peço desculpa por termos de reacomodar estes passageiros”, escreveu o presidente da companhia em comunicado. “O público não estava horrorizado por um passageiro com bilhete pago ter sido expulso (perdão, “reacomodado”) de um avião, mas pelo facto de tal ter acontecido de uma forma indesculpavelmente violenta”, escreve a Quartz.

Já o segundo pedido de desculpas foi mais emotivo. “Continuo perturbado pelo que aconteceu neste voo e peço desculpa ao cliente que foi removido à força e a todos os clientes a bordo. Ninguém merece ser tratado desta maneira”, escreveu Munoz. Ainda assim, o texto parece perder o impacto no terceiro parágrafo, quando o presidente da companhia aérea americana escreve que o caso vai motivar alterações na empresa, nomeadamente nas “políticas de incentivo a voluntários nesta situação, como lidamos com situações de sobrelotação”. Ou seja: o overbooking deverá continuar.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.