Inicialmente produzido no continente americano, foi em 2013 que a Ford decidiu passar a fabricar a versão exclusivamente eléctrica do seu familiar compacto Focus também na Europa. Mais concretamente, em Saarlouis, na Alemanha. Jogada estratégica que a marca da oval opta agora fazer regressar ao ponto de partida, ao anunciar que o modelo deixará de ser produzido no Velho Continente, para passar a sair apenas das linhas de montagem norte-americanas.

Segundo avança a Automotive News Europe, na base desta decisão estará o fraco desempenho comercial do modelo entre os consumidores europeus. O qual, segundo afirmou o responsável máximo pela avaliação da prestação comercial dos vários modelos a nível global, Graham Hoare, “não tem sido o suficiente” para manter a produção na Europa.

Ainda assim, Hoare também assegura que “a medida será revista, assim que o mercado [europeu] começar a revelar uma procura maior”.

De acordo com os mais recentes dados reunidos pela empresa JATO Dynamics, as vendas do Ford Focus Electric na Europa não ultrapassaram, em 2016, as 61 unidades. Sendo que, no ano anterior, não tinham ido além dos 70 carros. A procurar contrariar estes números, o facto de o Focus EV ter recebido, recentemente, uma evolução nas baterias, as quais passaram a anunciar uma capacidade de 33,5 kWh, o que permitiu aumentar a autonomia dos até aí 160 km para os 225 km.

Na Alemanha, onde até aqui era produzido, o Focus EV custava cerca de 34.900€, antes de aplicados os incentivos.

Focus EV americano continua

Apesar da decisão de acabar com a produção do Focus EV na Europa, algo que a Ford também fundamenta considerando que os consumidores europeus não vêm ainda esta solução como uma verdadeira alternativa aos automóveis com motores de combustão, a Ford garante que o modelo continuará a ser comercializado em alguns mercados do Velho Continente – não em Portugal, onde, aliás, já havia sido retirado da gama disponível. Embora recorrendo para tal a unidades fabricadas e importadas dos EUA.

Ao mesmo tempo, o fabricante garante estar já a preparar um SUV 100% eléctrico, com uma autonomia a rondar os 480 km, para lançar no mercado por volta de 2020. Modelo este que faz parte das 13 propostas globais, eléctricas, que a companhia tem previsto apresentar nos próximos cinco anos.

A par destes novos veículos, o gigante norte-americano assume igualmente que pretende reforçar a oferta em termos de híbridos, ou seja, soluções com motores de combustão apoiados por propulsores eléctricos, em particular, para o sector dos comerciais. Onde, afirma Hoane, “os híbridos são uma melhor aposta que os veículos exclusivamente eléctricos”.