Marinha

Marinha portuguesa vigiou navio russo que passou dois dias nas águas portuguesas

A Marinha vigiou um navio russo de pesquisa oceanográfica que navegou em águas portuguesas nos últimos dois dias, quando seguia para Gibraltar, anunciou esta força portuguesa.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Marinha vigiou um navio russo de pesquisa oceanográfica que navegou em águas portuguesas nos últimos dois dias, quando seguia para Gibraltar, anunciou esta força portuguesa.

Em comunicado hoje divulgado, a Marinha indica que o navio “passou, durante os dois últimos dias, em águas nacionais” e que foram alocados dois navios da Marinha portuguesa “para acompanhar o navio de guerra, no quadro das responsabilidades nacionais na NATO, de partilha de informação e de patrulha e vigilância de navios de interesse”.

O navio russo, que provinha do mar do Norte e que está em trânsito para Gibraltar em direção ao Mediterrâneo, “entrou na ZEE [zona económica exclusiva] portuguesa na madrugada de sexta-feira e começou por ser acompanhado pelo navio patrulha Quanza, em missão na zona marítima do Norte”.

Depois, já ao largo de Lisboa, esta vigilância foi feita pela corveta João Admiral Vladimirskiy Roby, que “acompanhou desde ontem [sexta-feira] pelas 18:00 o navio russo até à saída da ZEE portuguesa, a sul do Algarve”.

A Marinha concluiu a missão de vigilância às 10h00 de hoje, “após o navio ter saído das águas de jurisdição portuguesa, passando a ser monitorizado por navios das marinhas aliadas da NATO, a partir de Gibraltar”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)