Guatemala

Guatemala declara estado de calamidade devido a incêndios

A Guatemala declarou na terça-feira "estado de calamidade" pública no país devido aos incêndios que afetam em particular Petén, berço da civilização maia e um dos últimos pulmões da América.

A Reserva da Biosfera Maia inclui mais de dois milhões de hectares de selva tropical de terras baixas e montanhosas

CONAP/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Guatemala declarou na terça-feira “estado de calamidade” pública no país devido aos incêndios que afetam em particular Petén, berço da civilização maia e um dos últimos pulmões da América, onde mais de 1.500 hectares foram consumidos.

A declaração do “estado de calamidade”, aprovado na terça-feira pelo conselho de ministros, tem como objetivo ajudar nos trabalhos de emergência, regulando doações e aquisições.

A medida afeta todo o país, já que 20 dos 22 departamentos estão perigo devido ao calor, apesar de ser em Petén que os fogos estão a causar mais dano.

Um total de 16 incêndios continuam a ameaçar a Reserva da Biosfera Maia, apesar de as chamas estarem a ser combatidas por 350 bombeiros, militares, guardas florestais, voluntários, e três helicópteros anti-incêndios.

A Reserva da Biosfera Maia inclui mais de dois milhões de hectares de selva tropical de terras baixas e montanhosas, e forma parte do bosque tropical que se expande para o México e Belize, uma das maiores extensões deste tipo na região.

Nesta área dos danos são “irreversíveis, inquantificáveis” e incalculáveis, segundo o Conselho Nacional das Áreas Protegidas. A zona é conhecida pela sua elevada biodiversidade, com jaguares, pumas, jaguatiricas, macacos, tartarugas de água doce, entre outras espécies.

Petén, que tem uma extensão de 35.854 quilómetros quadrados, é o maior dos 22 departamentos da Guatemala e devido ao incêndios permanece em alerta vermelho desde 10 de abril.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)