PSD

Reestruturação da dívida criaria “situação mais dura para os portugueses”, diz Maria Luís Albuquerque

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque afirmou que a dívida pública é sustentável e alertou que uma eventual reestruturação iria criar "uma situação muito dura para os portugueses".

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque afirmou esta quinta-feira que a dívida pública é sustentável e alertou que uma eventual reestruturação iria criar “uma situação muito dura para os portugueses”.

“A sustentabilidade da dívida pública tem a ver com a nossa capacidade enquanto país de convencer quem nos financia de que somos capazes de a pagar. Isso passa por uma política orçamental responsável e por uma capacidade de crescimento”, defendeu a antiga ministra das Finanças.

Maria Luís Albuquerque, que falava esta noite aos jornalistas, em Odivelas, à margem de um debate sobre a dívida pública portuguesa, sublinhou que “a questão da sustentabilidade da dívida pública tem muito mais a ver com a confiança dos mercados do que propriamente com qualquer valor absoluto”.

“Nós conhecemos países com um nível de dúvida pública muito elevado em que a questão da sustentabilidade não se coloca e outros com níveis de dívida pública mais baixos que perdem acesso a mercados”, atestou.

Quando questionada pelos jornalistas sobre as reuniões existentes entre o Governo e Bloco de Esquerda para discutir a reestruturação da dívida, a vice-presidente do PSD ressalvou que os sociais-democratas “não estão disponíveis para dialogar sobre essa matéria”.

“O Governo tem tentado jogar nos dois tabuleiros e não dizer sim, nem não, nem que antes pelo contrário. Cabe ao Governo dizer o que tenciona fazer face à pressão dos seus parceiros”, afirmou, sublinhando que o caminho dos sociais-democratas “é o das finanças públicas sustentáveis e o da continuação das reformas estruturais”.

Na segunda-feira, a líder do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, falou da existência de vários grupos de trabalho que existem entre o BE, o PS e o Governo, nomeadamente a nível de habitação e da dívida pública.

Na ocasião, Catariana Martins afirmou que o BE “continua a dizer que é preciso olhar de frente e resolver o problema da dívida pública e que isso exige uma reestruturação”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
308

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Governo

O governo de Sócrates é o maior problema de Costa

João Marques de Almeida

A transformação do ‘problema Sócrates’ no ‘problema do governo Sócrates’ será o maior obstáculo a uma maioria absoluta do PS em 2019 - pois afinal foi numa maioria absoluta do PS que tudo aconteceu.

Futuro

Acessibilidade digital e valorização do interior

António Covas

Quando se fala do futuro próximo do interior é bom não esquecer que em 2030 a geração dos nativos digitais já terá pelo menos 30 anos e os ecossistemas digitais serão o quadro de atuação mais comum.

Liberalismo

Subir a Avenida da Liberdade no 25 de Abril

Sérgio Loureiro

Gostava mais se fôssemos subir a Avenida da Liberdade. Subir para chegar a um Portugal e uma Europa melhores. Subir para que a Liberdade seja individual e plena, e não apenas a tolerada pelo Estado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site