PSD

José Miguel Júdice: Marcelo Rebelo de Sousa é “maquiavélico” e “manipulador”

1.762

Para o ex-dirigente do PSD, António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa são "os mais dotados das suas gerações". Já Passos Coelho "está morto politicamente, só que ainda ninguém lhe disse".

José Miguel Júdice garante nunca ter tido vontade de fazer política

Álvaro Isidoro / Global Imagens

José Miguel Júdice não poupa elogios e críticas aos vários elementos da política portuguesa, tanto da esquerda como da direita. Numa entrevista ao jornal i, o antigo dirigente do PSD afirma que António Costa é “mais adequado” para o momento político atual do que Pedro Passos Coelho, considerando que o antigo primeiro-ministro já “está morto politicamente”.

Passos Coelho está morto politicamente, só que ainda ninguém lhe disse. (…) Não estou a dizer que ele não possa ressuscitar, mas acho que está politicamente morto”, diz o advogado.

Júdice defende que Costa e Marcelo Rebelo de Sousa são “os mais dotados das suas gerações”. Ainda assim, não deixa de apontar o dedo ao Presidente da República, sublinhando que alguns dos seus erros têm sido “a verborreia” — “quem fala sobre tudo não fala de nada” — e o seu excessivo entusiasmo com António Costa. “António Costa fez com Marcelo Rebelo de Sousa um bloco central. Compensou a sua fragilidade e a sua dependência dos partidos de extrema-esquerda”

Garante também que Rebelo de Sousa preparou-se “desde sempre” para ocupar um cargo político importante — “se ele acabasse a sua vida tendo sido apenas presidente do PSD e ministro da Presidência de Balsemão, teria falhado uma parte substancial da sua vida” –, descrevendo-o como alguém “maquiavélico de forma instrumental”, “manipulador”, “capaz de jogar com as pessoas” e de dizer mal delas quando “não estão presentes”.

Ele está a pensar na História. Quer ser o Presidente da República que toda a gente venha a considerar o melhor da democracia”, acrescenta.

Políticos “magros e gordos” vs políticos “pessimistas e otimistas”

José Miguel Júdice considera ainda que “não se pode fazer política a dizer a verdade” e isso não é algo exclusivo de Portugal. “Os políticos mentem-nos permanentemente, mas nós queremos que eles nos mintam. Nós nunca votaremos em políticos que nos digam a verdade. (…) Quem é que ganha eleições a dizer que vai aumentar os impostos e criar desemprego?”

E faz ainda um paralelismo entre políticos “gordos e magros” e “pessimistas e otimistas”: “Eu tenho uma teoria que, como todas as teorias, é exagerada. Faço a distinção entre magros e gordos. Os gordinhos são mais otimistas. O António Costa é gordinho, o Soares era gordo… Salazar era magro, o Cavaco é magrinho, o Passos é magro, é uma linhagem de pessimistas. Quando alguém está bem com a vida, come melhor”.

Marques Mendes: “Boneco do ventríloquo” ou “personagem com autonomia”?

Marques Mendes também foi um dos visados nas críticas de Júdice. Para além de referir que não se percebe se o antigo líder do PSD “é o boneco do ventríloquo” de Marcelo Rebelo de Sousa — já que Mendes é “uma das quatro pessoas que o prof. Marcelo Rebelo de Sousa mais ouve e, ao mesmo tempo, tem um programa de televisão” — ou “se é uma personagem com autonomia”.

O advogado revela ainda o papel do atual comentador na sua saída do PSD. O antigo bastonário da Ordem dos Advogados explica que, depois de se ter filiado no partido em homenagem a Sá Carneiro, um ano depois da sua morte, Júdice diz ter ficado “chocado” e “triste” por nunca ter sido convidado para as várias homenagens que houve a Sá Carneiro.

Sublinha, contudo, que “a gota de água” foi a reação de Marques Mendes: “Ele [Marques Mendes], perante o facto de eu estar um pouco magoado, fez uma coisa extraordinária e disse-me: “O programa ainda não está fechado e, se você quiser, eu ponho-o já a ser responsável por qualquer coisa”. Eu disse-lhe: “Ó Marques Mendes, você não está a perceber nada. (…) Estou apenas a registar que deixei de vos interessar””, contou o advogado, acrescentando ter sido convidado cerca de dois anos mais tarde para fazer parte das listas de Marques Mendes e de Luís Filipe Menezes.

Os partidos só se interessam pelas pessoas que podem ameaçar ou pedir”, acrescenta.

Já no fim da entrevista, José Miguel Júdice diz não se considerar “uma pessoa poderosa”. “Isso dá-me vontade de rir. Acho que sou uma pessoa incómoda. As pessoas que me contactam, agora que tenho um programa de televisão [na TVI24], dizem-me que digo coisas que ninguém tem coragem de dizer. Isto não é ser poderoso”. Termina garantindo que nunca teve ambições políticas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)