UTAO

UTAO alerta que diminuição de depósitos da administração central pode reduzir confiança dos investidores

A UTAO alertou esta sexta-feira que a diminuição dos depósitos da administração central pode reduzir a confiança dos investidores em Portugal.

Ant

Autor
  • Agência Lusa

A UTAO alertou esta sexta-feira que a diminuição dos depósitos da administração central pode reduzir a confiança dos investidores em Portugal, defendendo que se deve manter uma relação de proporcionalidade com as necessidades de financiamento do Estado.

Na análise ao Programa de Estabilidade 2017-2021, a que a agência Lusa teve acesso esta sexta-feira, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) afirma que está previsto “um decréscimo contínuo dos depósitos da administração central até 2019, verificando-se um acréscimo em 2020, seguido da sua utilização em 2021”.

Com efeito, é de salientar que os depósitos da administração central, isto é, a ‘reserva de liquidez’, são vistos pelos investidores como uma garantia financeira da dívida a reembolsar, o que poderá refletir-se no nível da confiança gerada junto dos investidores”, alerta a UTAO.

Nesse contexto, defendem os especialistas que apoiam os deputados da Comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA), “torna-se importante uma relação de proporcionalidade entre os depósitos e as necessidades líquidas de financiamento do Estado”.

De acordo com a UTAO, os depósitos da administração central atingiram 9,3% do Produto Interno Bruto (PIB), ou 17.200 milhões de euros, “estando projetado uma redução significativa de 3,9 pontos percentuais do PIB até 2019, fixando-se em 5,4% do PIB no final de 2019 (10.900 milhões de euros)”.

Por outro lado, refere a Unidade Técnica, em 2020 está previsto “um aumento expressivo dos depósitos da administração central de 4.500 milhões de euros, o qual, segundo o Programa de Estabilidade, tem por objetivo financiar o elevado nível previsto de amortizações de dívida de médio e longo prazo em 2021 (4.300 milhões de euros do FMI e 17.000 milhões de outra dívida de médio e longo prazo)”.

Os especialistas afirmam ainda que, em 2021, os depósitos da Administração Central diminuirão para 4,2% do PIB (9.200 milhões de euros), o que implica o uso de 6.200 milhões em 2021.

A UTAO refere ainda que, “apesar da previsão de queda dos depósitos ao longo do período em análise, também as necessidades líquidas de financiamento diminuirão como resultado, sobretudo, da redução do défice orçamental (segundo a apresentação do IGCP de fevereiro, a despesa líquida com ativos financeiros permanece praticamente constante entre 2018 e 2020)”. Os técnicos afirmam ainda que a “redução projetada para a dívida pública em percentagem do PIB é resultado, sobretudo, de elevados saldos orçamentais primários”.

Além disso, a UTAO considerou ainda que, se Portugal sair do Procedimento dos Défices Excessivos (PDE) em 2017, com base na execução orçamental de 2016 (ano em que o défice foi de 2%, abaixo do limite de 2,5% exigido por Bruxelas aquando do encerramento do processo de sanções), “a evolução da dívida prevista para o período 2017/2021 permite assegurar o cumprimento dos requisitos do enquadramento orçamental europeu”.

Os países que, como Portugal, tenham uma dívida superior a 60% do PIB estão obrigados a reduzir a dívida a uma taxa média de um vigésimo por ano, em média de três anos, na parte que exceder aquele limite. Mas Portugal, que teve sujeito a um PDE, só fica sujeito a esta regra três anos após a correção do défice orçamental excessivo, pelo que, “caso se verifique o encerramento do procedimento dos défices excessivos em 2017, somente a partir de 2020 se irá aplicar a nova regra”.

Assim, escreve a UTAO, “sendo o nível de dívida previsto para 2021 de 109,4% do PIB, a redução média anual projetada é de 5,2 pontos percentuais do PIB, o que supera a taxa média de redução anual necessária para satisfazer o cumprimento da regra de correção do excesso de dívida”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
364

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)