Crianças

Como arrumar o quarto (e os brinquedos) dos miúdos

322

A tralha das crianças pode-se espalhar rapidamente por uma casa inteira. A especialista Vicky Silverthorn acaba de lançar a obra "Comece pela Gaveta das Meias" e partilha dicas para restaurar a ordem.

Ter um recipiente com lápis ao lado de um bloco de papel numa mesa fará com que as crianças os usem e sejam criativas.

Getty Images/iStockphoto

Autor
  • Sílvia Silva

Quem tem crianças sabe que, provavelmente, há brinquedos espalhados por todas as divisões. “Da mesma forma que abrir a porta de um armário desarrumado aumenta o nosso nível de stress, o caos nos quartos das crianças ou nas zonas de arrumação pode deixá-las igualmente ansiosas e sufocadas“, começa por escrever Vicky Silverthorn no novo guia organizacional Comece pela Gaveta das Meias. Segundo a especialista em organização profissional, organizar os espaços das crianças pode contribuir para uma maior valorização das coisas. “Ao restaurar a ordem e a calma no espaço dos seus filhos, seguindo os meus métodos simples, poderá também incentivá-los a arrumar tudo depois de brincar“, promete a autora.

Aplicar estes passos a todas as zonas onde guarda brinquedos deverá ajudar a reduzir consideravelmente o número de objetos a atravancar o espaço dos seus filhos. O processo será bastante satisfatório, e ter menos por onde escolher irá incentivar a calma e a criatividade deles”, acrescenta a ex-assistente pessoal da cantora Lily Allen.

O livro foi publicado pela Nascente Editora e custa 14,99€.

Siga as próximas dicas, selecionadas pela autora Vicky Silverthorn, para reduzir a quantidade de brinquedos em sua casa e reorganizá-los de forma que se torne mais fácil manter a ordem. Ora aponte:

1. Enfrente a montanha de brinquedos

Primeiro, comece por ter à mão sacos para o lixo e para as lojas sociais. De seguida, prepare-se para enfrentar a montanha de brinquedos. “Pergunte-se se cada brinquedo é adequado à idade dos seus filhos”, aconselha Vicky Silverthorn. “Este passo pode ser particularmente difícil quando se deparar com brinquedos que já são muito infantis para eles, mas com que nunca brincaram”, adianta a autora. A partir daí, recolha todas as peças de plástico aleatórias que parecem não estar relacionadas com nada. “Enfie tudo numa caixa e se, quando acabar de arrumar, essas peças continuarem a não se relacionar com nada, deite-as fora”, escreve.

2. Compre caixas e cestos de arrumação

Segundo a autora de Comece pela Gaveta das Meias, “os móveis de arrumação de brinquedos, que vêm agora com várias caixas e cestos adequados à sua casa e ao seu estilo, são os melhores para manter os brinquedos arrumados e organizados”. Arrume nessas caixas os brinquedos que quer que os seus filhos tenham à mão. “Coloque em baixo aquilo que com que as quer incentivar a brincar e permita-lhes aceder aos seus brinquedos de forma independente”, aconselha Vicky Silverthorn. Se é pesado, coloque também no chão para evitar que as crianças deixem brinquedos pesados para cima delas.

3. Crie um “canto acolhedor” nas divisões mais usadas

Em vez de deixar os seus filhos arrastarem brinquedos por cada parte da casa, coloque uma caixa ou cesto pequeno (de preferência sobre um tapete) com brinquedos. “Desta forma, não vai acabar todos os dias a apanhar peças espalhadas por toda a casa e a arrumá-las no quarto das crianças”, promete a autora de Comece pela Gaveta das Meias.

4. Mantenha escondidas algumas peças

“Muitas famílias têm uma luta diária sobre o uso de um tablet ou de uma consola, mas o que está longe da vista está, mais provavelmente, longe do coração. Quando não quer que a tecnologia seja usada, guarde-a longe da vista e fora do alcance da tentação”, escreve a especialista em organização profissional. Desta forma, vai ter muito mais controlo sobre aquilo com que os seus filhos brincam.

5. Tenha uma mesa com lápis e canetas

Porquê? Para encorajar atividades criativas. “Ter um recipiente com lápis e canetas ao lado de um bloco de papel numa mesa fará com que as crianças os usem e sejam criativas”, explica Vicky Silverthorn. Mesmo que tenha esses materiais escondidos numa gaveta, está a criar um obstáculo e serão menos usados.

6. Implemente uma rotatividade básica de brinquedos

Em vez de ter determinado brinquedo a ocupar o espaço do dia a dia, pode retirá-lo do armário apenas em momentos especiais, para ser realmente apreciado pelas crianças pois sabem tratar-se de algo que não têm sempre à mão. “O processo será bastante satisfatório, e ter menos por onde escolher irá incentivar a calma e a criatividade deles”, aponta a ex-assistente pessoal de Lily Allen.

Para reduzir a quantidade de brinquedos em casa, comece por um armário ou estante de cada vez. (Foto: Getty Images/iStockphoto)

7. Livre-se dos duplicados

Junte uma lista de brinquedos idênticos — que tenham o mesmo propósito ou que sejam muito semelhantes — e livre-se deles. “É claro que há vários itens que convém ter em grande número (especialmente puzzles e livros), mas de quantos pianos, quintas de brincar ou carrinhos de bonecas precisa realmente uma criança?”, pergunta Vicky Silverthorn.

8. Incentive a arrumação

Noutras palavras: lidere pelo exemplo. Se os seus filhos o ouvirem queixar-se constantemente de ter de arrumar a casa, irão formar a opinião de que se trata de uma tarefa árdua e algo a temer e a evitar. De acordo com a autora do novo livro Comece pela Gaveta das Meias, “evite queixar-se das suas próprias tarefas, torne-a divertida, ajude quando necessário, tenha expetativas claras e razoáveis e recompense com elogios”.

9. Quebre todas as regras de arrumação

O mais importante de tudo é que a forma como arruma os brinquedos reflita a maneira como os seus filhos brincam com eles. “Cada criança é única — tal como a maneira como brinca. Organize os brinquedos de uma forma que faça sentido para os seus filhos, colocando no mesmo sítio as coisas com que brincam ao mesmo tempo”, conclui. Assim, também pode poupar espaço.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)