Rádio Observador

25 de Abril

Sessão solene e exposição sobre Zeca Afonso na Assembleia da República para comemorar 25 de Abril

416

A Assembleia da República vai abrir as portas ao público para celebrar os 43 anos do 25 de Abril. O dia vai começar com uma sessão no Parlamento e a inauguração de uma exposição sobre Zeca Afonso.

A sessão solene comemorativa do 43.º aniversário da Revolução dos Cravos está marcada para as 10h

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As comemorações dos 43 anos do 25 de Abril decorrem na terça-feira com a habitual sessão solene no parlamento onde será inaugurada uma exposição sobre Zeca Afonso. Os jardins de São Bento vão estar abertos todo o dia com música e poemas.

A sessão solene comemorativa do 43.º aniversário da Revolução dos Cravos está marcada para as 10h, na Assembleia da República, onde depois de todos os partidos com assento parlamentar usarem da palavra — pela ordem PAN, PEV, PCP, CDS-PP, BE, PS e PSD — e da intervenção do presidente do parlamento, o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, discursará.

O hino nacional — tocado, desde os Passos Perdidos do Parlamento, pela banda da GNR — será ouvido por duas vezes, uma antes da abertura e outra depois do encerramento da sessão, que contará ainda com a presença do primeiro-ministro, António Costa, entre outras individualidades.

Depois da sessão, o chefe de Estado, acompanhado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, passará pelo átrio principal do parlamento para ver a exposição José Afonso — andarilho, poeta e cantor, que assinala os 30 anos da morte do músico e que será inaugurada pelas 15h.

Marcelo Rebelo de Sousa terá ainda agenda durante a tarde, altura em que irá condecorar o arquiteto Siza Vieira com a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, seguindo-se uma audiência com a Associação Portuguesa de Imprensa e uma receção ao Corpo Diplomático, no Palácio de Queluz.

Para as 15h, também está marcado o tradicional Desfile Popular do 25 de Abril, na Avenida da Liberdade, em Lisboa, organizado pela Associação 25 de Abril e que habitualmente conta com a participação de várias figuras dos diferentes quadrantes da sociedade.

Também o primeiro-ministro, António Costa prossegue as comemorações do Dia da Liberdade à tarde e volta a abrir aos cidadãos, a partir das 14h30, os jardins da residência oficial, em São Bento, onde haverá um concerto de Jorge Palma e a leitura de poemas pelo ex-candidato presidencial Manuel Alegre.

Pelos jardins de São Bento, vão também passar vários membros do Governo, em particular o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, sendo ainda inaugurada uma escultura de Vhils, que invoca os princípios da revolução.

Ainda em São Bento, haverá experiências de artes plásticas com o projeto Lata 65 e com a presença de Vhils e será possível gravar em vídeo as memórias do 25 de Abril ou fazer depoimentos sobre os seguintes temas: “O que é a Revolução?” “O que é a Liberdade?” e “O que é a democracia?”. Também o Parlamento terá as portas abertas ao público, que poderá visitar os espaços mais emblemáticos, mas também algumas salas de acesso habitualmente reservado.

De norte a sul do país — e nas ilhas — há uma vasta programação de concertos, exposições, peças de teatro, apresentações de livros, atividades para os mais novos, para além das cerimónias oficiais, homenagens e sessões solenes para assinalar os 43 anos da Revolução dos Cravos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)