Rádio Observador

25 de Abril

PSD puxa por Teresa Leal Coelho no 25 de Abril

Sessão solene no Parlamento começa com discursos de todos os partidos, antes do de Marcelo. PSD escolheu a candidata à câmara de Lisboa, enquanto o PS optou por um segurista, Alberto Martins.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A sessão solene comemorativa do 43.º aniversário do 25 de Abril começa esta terça-feira às 10h, na Assembleia da República, com intervenções, como é habitual, de todos os partidos com assento parlamentar. Mas, se no ano passado o PSD tinha escolhido a ex-ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, para subir ao púlpito e falar em nome do partido sobre a Revolução dos Cravos — num discurso que foi o mais duro para com a atuação do atual Governo –, desta vez escolheu Teresa Leal Coelho, atual candidata à câmara municipal de Lisboa. Já o PS optou por uma figura mais histórica, e por sinal apoiante de António José Seguro no duelo contra Costa, Alberto Martins.

Num momento em que as autárquicas começam a ser o centro do debate político, o PSD vai mesmo puxar por Teresa Leal Coelho para protagonizar a intervenção parlamentar. Leal Coelho foi escolha pessoal de Passos Coelho para a câmara de Lisboa, depois de um processo polémico e demorado, tendo anunciado a candidatura há um mês. Com esta intervenção, a candidata a Lisboa vai falar publicamente pela primeira vez desde que o presidente da concelhia do PSD de Lisboa, Mauro Xavier, se demitiu na sequência dos desentendimentos com a direção nacional sobre o processo autárquico.

No ano passado, o PSD escolheu a ex-ministra Paula Teixeira da Cruz para discursar, tendo feito um discurso duro para com a maioria de esquerda que apoia o Governo. Nessa altura, Teixeira da Cruz optou por discursar com um cravo na lapela, à semelhança de Pedro Passos Coelho, embora nem todos os sociais-democratas o façam. Marcelo Rebelo de Sousa, que no ano passado discursou pela primeira vez como Presidente da República, optou por uma modalidade mais criativa: levou o cravo na mão, e não ao peito.

Teresa Leal Coelho e Paula Teixeira da Cruz, de resto, costumam sentar-se lado a lado na bancada do PSD e várias vezes têm votado de forma diferente da indicação dada pela bancada em questões fraturantes, como para impedir a criminalização do aborto ou a favor da legalização da adoção por casais homossexuais.

Apesar de Teresa Leal Coelho ser adversária de Assunção Cristas na corrida a Lisboa, não será a presidente do CDS a discursar em nome do partido na sessão solene desta terça-feira. Para essa função, os democratas-cristãos reservaram a deputada Isabel Galriça Neto, médica que tem a pasta da saúde na bancada parlamentar do CDS e costuma dar a cara pela causa contra a legalização da eutanásia. Esse é um tema que, de resto, irá marcar brevemente o debate parlamentar. Há um ano, foi o líder parlamentar Nuno Magalhães a intervir no Parlamento.

Já o PS, que no ano passado tinha escolhido o então líder da JS, João Torres, para intervir no plenário, desta vez optou por um nome com maior peso histórico: Alberto Martins, ex-ministro da Justiça e ex-ministro da Reforma do Estado e da Administração Pública, que apoiou António José Seguro nas primárias frente a António Costa. Alberto Martins foi um dos rostos das lutas estudantis contra o Estado Novo, em Coimbra, tendo ficado célebre o episódio, a 17 de abril de 1960, em que Alberto Martins, na altura presidente da Associação Académica de Coimbra se levantou e, numa afronta ao regime, pediu a palavra a Américo Tomás em nome dos estudantes, acabando por ser preso no dia seguinte.

Do lado do Bloco de Esquerda e PCP, quem vai intervir é a deputada bloquista Joana Mortágua, filha de Camilo Mortágua, um dos protagonistas do Assalto ao paquete Santa Maria e ao Banco de Portugal, e o deputado comunista Jorge Machado. No ano passado os nomes escolhidos tinham sido Jorge Costa e Rita Rato. André Silva, do PAN, e um dos deputados d’Os Verdes, também irão subir ao púlpito.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)