Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ivanka Trump, filha do presidente dos Estados Unidos, foi uma das participantes na cimeira W20 (que acolhe em Berlim um grupo de mulheres oriundas de países do G20 e onde se discute a igualdade de género, por exemplo, no acesso ao emprego) mas o seu discurso foi mal acolhido. Tudo porque Ivanka descreveu Donald Trump como um defensor das mulheres. E quando o fez, foi apupada pela plateia.

Ainda antes de ele entrar na presidência, ele defendeu isso [igualdade de género] nas primárias. Isto é algo de que me orgulho. Ele tem sido um tremendo vencedor no apoio às famílias, permitindo-lhes prosperar”, começou por dizer Ivanka Trump.

Quando questionada pela moderadora sobre as declarações polémicas (a expressão “Grab them by the pussy!”, que deu à estampa ainda nas primárias, continua nas bocas do mundo) de Trump em relação às mulheres, Ivanka tratou logo de defendê-lo: “Ele acredita no potencial das mulheres e na sua capacidade para fazer o trabalho tão bem como qualquer homem”, garantiu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E confidenciou que, em casa, na infância, ela e a irmã Tiffany nunca tiveram “qualquer barreira” que as diferenciasse dos irmãos mais velhos, Eric e Donald. Para Ivanka, os Estados Unidos são um país com “menos problemas de género” do que outros, mas assume que ainda há “dificuldades”.

Com a filha de Donald Trump no W20 estiveram também Christine Lagarde, diretora do Fundo Monetário Internacional, e a chanceler alemã Angela Merkel.

Merkel que prometeu discutir em julho na reunião G20 (que decorrerá em Hamburgo) mais “facilidades financeiras” para o acesso ao crédito por parte das mulheres. A chanceler alemã acredita que, assim, se combaterá a desigualdade entre géneros, pois apesar de 50% da população mundial ser feminina, tal “não se reflete no mundo empresarial e laboral”, acrescentou.