O BPI registou prejuízos de 122,3 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, com as contas do banco a serem afetadas pela venda do Banco de Fomento de Angola (BFA), divulgou esta quarta-feira em informação ao mercado. A nova administração, liderada por Pablo Forero, vai explicar os resultados em conferência de imprensa esta quinta-feira.

No comunicado, o grupo explica que o resultado negativo conseguido de janeiro a março foi afetado pela venda de 2,0% do capital do Banco de Fomento de Angola à operadora Unitel (pela qual passou de acionista maioritário a minoritário), o que teve um “impacto negativo de 212,3 milhões de euros” e obrigou à “desconsolidação dessa entidade, que passa a ser reconhecida nas contas do Grupo BPI pelo método de equivalência patrimonial”.

No ano passado, no primeiro trimestre, o Banco BPI apresentou lucros de 45,8 milhões de euros. Já excluindo o impacto da venda parcial do banco angolano, as contas trimestrais do BPI são positivas, apresentando, então, um lucro consolidado de 90 milhões de euros, resultado de 43,8 milhões de euros conseguidos na atividade em Portugal (mais de cinco vezes mais do que os 7,9 milhões do mesmo período de 2016) e de 46,2 milhões da atividade internacional (que compara com 37,9 milhões de período homólogo).