UNICEF

UNICEF pressiona Malásia para acabar com castigos corporais nas escolas

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) está a pressionar a Malásia para proibir o castigo corporal nas escolas, depois da morte de um rapaz de 11 anos por alegados abusos numa escola.

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) está a pressionar a Malásia para proibir o castigo corporal nas escolas, depois da morte de um rapaz de 11 anos por alegados abusos numa escola religiosa.

O rapaz morreu na passada quarta feira, poucos dias após ter as suas duas pernas amputadas devido a uma infeção bacteriana. Esta foi alegadamente contraída depois de ter sido chicoteado com uma mangueira de água num internato islâmico privado, no mês passado. A polícia deteve o assistente do diretor, que supostamente chicoteou a criança, e vários outros como punição.

A representante da Unicef na Malásia, Marianne Clark-Hattingh, disse hoje que o castigo físico é a forma preferida de disciplina para as crianças na Malásia.

A responsável da agência da ONU disse que a morte do rapaz é um “forte lembrete das consequências negativas do castigo físico e da violência como uma forma de disciplina”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)