434kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Dorme oito horas e acorda cansado? Conheça as quatro razões

Este artigo tem mais de 5 anos

Acordar cansado mesmo depois de dormir as horas aconselhadas é uma queixa frequente. O canal do YouTube AsapSCIENCE tem a resposta para isso.

Mitchell Moffit e Gregory Browns, os autores do vídeo, são ambos licenciados em biologia
i

Mitchell Moffit e Gregory Browns, os autores do vídeo, são ambos licenciados em biologia

George Marks/Retrofile/Getty Images

Mitchell Moffit e Gregory Browns, os autores do vídeo, são ambos licenciados em biologia

George Marks/Retrofile/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um adulto deve dormir, em média, entre sete a nove horas por dia, número que vai variando consoante a idade, como já o dissemos anteriormente. Desde os que só conseguem dormir quatro horas aos que chegam a dormir 12, a queixa é geral: o cansaço permanece. Mas existem razões para isso.

Estar cansado e sem dormir diminui grandemente todas as nossas funções cognitivas — a tomada de decisões, o nosso julgamento e a capacidade de nos ligarmos aos outros. A maior parte das vezes não sabemos que estamos cansados”, constatou Arianna Huffington numa entrevista ao Observador no início deste ano.

Os criadores do canal do Youtube AsapSCIENCE, têm a resposta. Mitchell Moffit e Gregory Browns são ambos licenciados em biologia e publicaram um vídeo com as quatro razões que fazem com que o cansaço permaneça mesmo depois de várias horas de sono. Chama-se “Why Are You Always Tired?” (“Porque é que estás sempre cansado?, em português) e conta com mais de dois milhões de visualizações.

Pouco exercício e vida sedentária

O exercício físico pode cansar. Mas é um cansaço temporário. A longo prazo, a sua prática regular contribui para a diminuição do cansaço. Por isso, o sedentarismo é uma das causas pelas quais o cansaço persiste mesmo depois de várias horas de sono. Aliás, o exercício físico é o “medicamento” recomendado para acabar com problemas de fadiga e o mais indicado para pessoas com estilos de vida demasiado sedentários.

A introdução de exercício físico no dia-a-dia vai atuar na redução do cansaço a dois níveis. Não só o sono se torna mais reparador como contribui para um aumenta da energia.

Muito café antes de dormir

O café é tanto solução e causa do cansaço. É muitas vezes usado para despertar e aliviar a fadiga mas na hora de dormir tem um impacto muito negativo no sono.

E não acontece apenas quando o café é tomado imediatamente antes de ir dormir. A cafeína tem um poderoso efeito que se pode prolongar até seis horas. Por isso, a fadiga pode ser aliviada no momento mas, ao acordar, o cansaço vai ser superior. Isso acontece porque a energia não anula os efeitos do cansaço apenas disfarça-os. O cansaço permanece e é acumulado, fazendo com que o auge do cansaço seja atingido durante o sono.

Muito álcool e pouca água

O hábito de beber álcool às refeições pode também ser a causa do cansaço. Quando consumida antes de dormir, uma bebida alcóolica não tem tempo suficiente de se metabolizar corretamente. Mesmo depois desse processo, o álcool causa nervosismo e dificuldades em descansar.

O álcool aliado ao pouco consumo de água aumenta ainda mais a fadiga. A falta de hidratação causa fraquezas e falta de concentração.

Problemas de saúde

A última razão diz respeito a cada indivíduo. Problemas de saúde físicos e psicológicos causam problemas ao nível do sono, que podem atingir proporções mais graves como síndrome da fadiga crónico ou depressão na sequência de privação do sono.

A solução neste caso passa por recorrer a apoio médico ou psicológico.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.