A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) vai realizar duas manifestações a 3 de junho em Lisboa e no Porto, anunciou nesta segunda-feira o secretário-geral da Intersindical, num discurso de 1.º Maio cheio de recados ao Governo. Perante milhares de pessoas concentradas na Alameda Afonso Henriques, em Lisboa, Arménio Carlos anunciou que a CGTP-IN convocou “duas grandes manifestações”, inseridas no Dia Nacional de Luta, com o lema “Unidos pela valorização do trabalho e dos trabalhadores”.

“Um dia de luta nacional de conferência que convoca todas as mulheres e homens trabalhadores (…) que lutam pela efetivação da mudança de política e que irão, a uma só voz, transmitir ao Governo que este é o momento de avançar, porque é a partir do que se faz no presente que se constrói o futuro”, disse Arménio Carlos.

As referências e os recados ao Governo foram, aliás, uma constante no discurso do secretário-geral da CGTP, que defendeu que foi também graças à luta da plataforma sindical que foi possível “travar a política de destruição de direitos laborais e sociais”.

“Valorizamos o que foi feito. Mas a vida continua, o tempo passa, os problemas estruturais mantêm-se, as respostas tardam e é preciso atender às legítimas expectativas de todos os que lutaram pela mudança. Este é o tempo de mudar e de fazer mais e melhor”, defendeu.