Republicanos as e democratas chegaram a um acordo ao final da noite de domingo que vai evitar o encerramento parcial da administração federal norte-americana, dando a Donald Trump parte do financiamento que o Presidente pedia para investir nas forças armadas, mas o Congresso decidiu não dar dinheiro para a principal promessa eleitoral de Donald Trump: construir um muro na fronteira com o México.

O acordo no Senado permite evitar um encerramento parcial do governo norte-americano – que implicaria o lay-off de trabalhadores e o encerramento de serviços públicos -, que, sem um acordo, aconteceria no final desta semana. O acordo ainda tem de ser aprovado esta semana na Câmara dos Representantes, mas está já encaminhado para ser o primeiro pacote de legislação importante a ser aprovado desde que Trump é Presidente.

Para já, o acordo orçamental entre os dois partidos vai permitir financiar um conjunto de programas do governo federal como os aeroportos, segurança nas fronteiras, exploração espacial e as escolas.

A grande vitória para Donald Trump acaba por ser o aumento substancial do financiamento para a Defesa. Nas propostas orçamentais de Donald Trump, este setor era, de longe, o que maior aumento no financiamento o Presidente pretendia ter, sendo que Trump pedia cortes em quase todos os restantes setores, inclusivamente programas muito populares de exploração espacial e de apoio a alunos com maiores dificuldades de aprendizagem.

Os republicanos, com maioria em ambas as câmaras do Congresso, são normalmente sensíveis ao investimento militar apesar de fazerem do equilíbrio das contas públicas a cartilha das suas negociações orçamentais, e também do reforço da segurança interna, nomeadamente no controlo da imigração.

No entanto, apesar de terem conseguido um aumento nos fundos para a Defesa, os congressistas não quiseram financiar a principal promessa eleitoral de Donald Trump, a construção do muro na fronteira com o México para controlar o fluxo de migrantes ilegais.

Os negociadores no Congresso deram ainda assim mais 1,5 mil milhões de dólares para reforço da segurança nas fronteiras com os Estados Unidos, mas para investir maioritariamente em tecnologia e reparar as atuais infraestruturas, bem menos que o aumento de 12,5 mil milhões de dólares de aumento no financiamento do orçamento federal para o Pentágono, valor que pode subir para 15 mil milhões de dólares se Donald Trump apresentar um plano ao Congresso para combater o Estado Islâmico.