O papa Francisco é conhecido por ser devoto de Maria, não tanto como João Paulo II, mas recebeu uma imagem de Nossa Senhora de Fátima quando era bispo em Buenos Aires, em 1992. Pouco depois de ser escolhido papa, a 17 de março de 2013, o bispo argentino sublinhou a “misericórdia” de Deus e lembrou a passagem, 20 anos antes, da imagem de Fátima por Buenos Aires, quando ainda era bispo.

“Lembro-me que tinha sido feito bispo há pouco, quando, no ano de 1992, chegou a Buenos Aires a imagem de Nossa Senhora de Fátima e organizou-se uma grande missa para os doentes”, recordou, na primeira oração do Angelus, a 17 de março de 2013. Nesse dia, estava a fazer confissões e recordou a conversa com uma mulher, já idosa, que lhe disse que “Deus nunca se cansa de nos perdoar, nunca!” Daí, o apelo à “peregrinação espiritual que é a fé” e “seguir a Jesus”.

Na oração que fez, disse: “Querida Mãe: Benvinda a casa! Ensina-nos que Jesus está vivo, que o sintamos vivo no meio de nós. Ensina-nos a linguagem da ternura. Benvinda a casa, Mãe! Olha para a minha família, sabeis do que necessita.” Nos anos que se seguiram, e segundo a agência Ecclesia, Francisco recordou diversas vezes a memória das “aparições” de Fátima, em 1917.

Uma das mais longas evocações foi a 12 de outubro de 2013, no dia em que a imagem de Nossa Senhora de Fátima, que habitualmente se encontra na capelinha das Aparições, na Cova da Iria, foi recebida pelo papa na entrada da Basílica de S. Pedro. Francisco recolheu-se em oração, após ouvir-se o hino ‘Ave Maria’, como acontece no Santuário de Fátima, depositando aos pés da imagem um terço como oferta pessoal, como noticiou a agência Ecclesia. E fez uma oração em nome da “Bem-aventurada virgem de Fátima”, como sublinhou o pedido de oração a 14 de maio de 2014.

Dois anos depois, a 11 de maio de 2016, dia de audiência geral no Vaticano e data das “aparições”, Francisco pediu aos fiéis para “multiplicar os gestos diários de veneração e imitação da Mãe de Deus” e recorda o papa que esteve por três vezes na Cova da Iria para pedir que se reze pela “paz no Mundo”. “A exemplo de São João Paulo II, grande devoto de Nossa Senhora de Fátima, coloquemo-nos atentamente à escuta da Mãe de Deus e imploremos a paz para o mundo”, afirmou.

Já este ano, numa mensagem para o Dia Mundial da Juventude, em março, o papa convidou os jovens a “recordar dois aniversários importantes” em 2017: “Os 300 anos do achado da imagem de Nossa Senhora Aparecida, no Brasil, e o centenário das aparições de Fátima, em Portugal, onde, com a ajuda de Deus, irei em peregrinação no próximo mês de maio.” E ainda há pouco mais de um mês, numa audiência geral, na Praça de São Pedro, a 15 de março, um grupo de fiéis chineses, com a bandeira vermelha da China, aproximou-se de Francisco para pedir que abençoasse uma imagem da Nossa Senhora de Fátima.