Ana Catarina Mendes

A entrevista de Ana Catarina Mendes em 46 tweets

Em entrevista ao Observador, a secretária-geral-adjunta do PS admite uma vitória nas autárquicas. Dívida pública, geringonça e estado da Justiça foram outros temas abordados com a número dois do PS.

A cinco meses das autárquicas, o PS assume a ambição de manter-se como “a principal força” do poder local. Se isso significa repetir — ou superar — as 150 câmaras conquistadas em 2013, a secretária-geral adjunta socialista não concretiza.

Ana Catarina Mendes esteve na redação do Observador na manhã desta quarta-feira para uma entrevista de pouco mais de 50 minutos e que aqui reproduzimos em 46 tweets, que incluem excertos da entrevista em vídeo. Além das autárquicas e das brechas que esse combate eleitoral pode abrir na “geringonça”, falou-se da herança que o PS recebeu no Governo, de dívida pública (e da responsabilidade que Portugal pode ter nesse debate), de precariedade, e da recusa de António Costa em responder a Passos Coelho no Parlamento e do processo de José Sócrates.

No âmbito das perguntas sobre o antigo primeiro-ministro — e ainda que tenha recusado comentar casos judiciais em concreto –, a dirigente socialista diz: “Qualquer cidadão merece respeito e dignidade que não é compatível com violações do segredo de justiça e violações de prazos.”

As expectativas para as autárquicas

Sobre a disputa autárquica no Porto

Sobre Fernando Medina, candidato a Lisboa

Sobre a herança do Governo PSD/CDS

Sobre a geringonça:

Sobre a Europa:

Sobre a dívida pública:

Sobre a precariedade:

Sobre as próximas legislativas:

Sobre a não resposta de António Costa a uma pergunta de Passos Coelho, na Assembleia da República:

Sobre eutanásia:

Sobre o caso José Sócrates:

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Relações Internacionais

A nova economia política /premium

Manuel Villaverde Cabral

A imprensa diz que o FMI foi ultrapassado pelos acontecimentos e já se identificaram os países que poderão vir a estar na linha de mira dos especuladores. A única defesa de Portugal é a União Europeia

Saúde Pública

Ainda o tabaco e má legislação

Fernando Leal da Costa

O Governo quer acabar com o fumo de tabaco no SNS – em cujas instituições já é proibido fumar – para depois, com um despacho, propor a criação de espaços para não fumadores... nas zonas ao ar livre.

Web Summit

Explicações de verão /premium

Maria João Marques

Houve quem à esquerda, incluindo alguns deputados, propusesse proibir (o método do costume; é compulsivo) o convite a Le Pen. Mas claro que a expulsão de Alex Jones foi justíssima e motivo de aplauso.

Relações Internacionais

A nova economia política /premium

Manuel Villaverde Cabral

A imprensa diz que o FMI foi ultrapassado pelos acontecimentos e já se identificaram os países que poderão vir a estar na linha de mira dos especuladores. A única defesa de Portugal é a União Europeia

Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)