Uma norte-americana foi processada pelo Departamento de Justiça por se rir do procurador-geral, Jeff Sessions, durante a sua tomada de posse no Senado. O episódio ocorreu no início do ano. De acordo com o Huffington Post, a mulher em causa é Desiree Fairooz, uma ativista do grupo Code Pink, e foi detida em janeiro depois de se ter rido em voz alta quando o senador Richard Shelby se referiu a Sessions como tendo um histórico de “tratar todos os americanos de forma igual perante a lei”.

Na verdade, Sessions tem uma longa história de se opor a legislação que procure promover uma igualdade de tratamento perante a lei. Por várias vezes criticou a Lei dos Direitos de Voto de 1965, que pôs fim a práticas eleitorais discriminatórias, resultantes da segregação racial nos EUA.

Lei dos Direitos de Voto 1965

Mostrar Esconder

Esta legislação foi um marco na história dos direitos civis nos EUA. Foi assinada pelo presidente Lyndon Johnson no seguimento da Lei de Direitos Civis, que promulgava o fim da segregação racial nos EUA. Assinada em agosto de 1965, a Lei dos Direitos de Voto garantiu o direito de acesso às urnas de cidadãos negros em todos os estados.

Votou contra legislação que criminalizava crimes de ódio para com indivíduos LGBTQ e explicou que “atualmente, eu não tenho a certeza se mulheres e pessoas com orientações sexuais diferentes enfrentam esse tipo de discriminação. Simplesmente, não o vejo”.

Em 1980, foi rejeitado para uma posição como juíz federal quando foi acusado de discurso racista, alegadamente por dizer que o Ku Klux Klan “não tinha problema até descobrir que fumavam erva”. Relembre-se, o Ku Klux Klan é uma organização de cariz racista e antissemita nos Estados Unidos. Estima-se que atualmente tenham entre cinco e oito mil membros.

Se for condenada, Fairooz enfrenta uma multa até 500 dólares (cerca de 458 euros) e seis meses de prisão.