Rádio Observador

Papa em Fátima

Nem cópia, nem inspiração. Joana Vasconcelos diz que terço brasileiro “não tem nada a ver” com o de Fátima

5.795

Desde que João Paulo II foi ao Rio em 1997, todos os anos no Brasil um terço gigante suspenso é erguido junto ao convento da Penha, no Estado de Espírito Santo. Joana Vasconcelos nega "cópia".

Afinal havia outro. Após ser conhecida a instalação “Suspensão”, de Joana Vasconcelos — um terço suspenso gigante que foi inaugurado na terça-feira no Santuário de Fátima e que vai ser aceso quando o papa Francisco entrar no recinto– começaram a circular nas redes sociais fotografias de um terço idêntico que foi erguido entre duas palmeiras em 1998, em Vila Velha, no estado de Espírito Santo, Brasil. Ao Observador, a artista plástica diz que “desconhecia” o terço brasileiro, mas que os dois terços “não têm nada a ver um com o outro”.

Aquilo é um terço pequenérrimo feito de esferovite.”

Para Joana Vasconcelos não há a mínima hipótese de se falar em “cópia”, já que é a mesma coisa que dizer que “o coração de Viana é uma cópia.” A artista plástica explica: “Eu, por exemplo, já fiz uma obra que é um sapato, mas já vários outros artistas representaram o sapato. Ou, por exemplo, um carro, que é uma figura já interpretada por vários artistas. Neste caso, é um terço e há vários artistas a representar terços”. E acrescentou: “Ainda agora, na visita do Papa ao Egito fizeram um terço de balões”.

Joana Vasconcelos explicou ainda que o seu terço é único pela “integração no espaço” e porque “ilumina à noite, com uma luz fluorescente, que é típica das estátuas da Nossa Senhora em Portugal. À noite faz um efeito que só existe em Fátima.”

O terço de Joana Vasconcelos foi inaugurado na terça-feira à entrada da Igreja da Santíssima Trindade, no Santuário de Fátima, obra encomendada pelo templo no âmbito das comemorações do Centenário das Aparições. A peça, denominada “Suspensão”, feita de contas brancas, tem 26 metros e vai ser iluminada pela primeira vez na noite de 12 de maio, quando o papa Francisco entrar no recinto do santuário para, com os milhares de peregrinos aí presentes, se preparar para rezar o terço.

No dia da inauguração, Joana Vasconcelos referiu que a peça “tem a ver com esta relação entre o céu e a terra e a luz” que ilumina o caminho, adiantando ter “muito gosto” em poder fazer parte do centenário, “deste momento tão importante para Portugal e para os portugueses, e poder colaborar nesta mensagem de paz”.

O gémeo brasileiro do terço de Fátima

Mas afinal qual é a história do terço gémeo do que foi inaugurado em Fátima? Em 1998, um médico ginecologista e obstetra, decidiu erguer um terço suspenso em duas palmeiras junto ao Convento da Penha, na cidade brasileira de Vila Velha. Para o instalar pediu ajuda à corporação de bombeiros local. A moda pegou. O terço foi ali colocado para as tradicionais comemorações da Festa de Nossa Senhora da Penha. Quando acaba a festa — é a terceira maior celebração mariana (dedicada a Maria) do Brasil, com dois milhões de pessoas — é retirado o terço e, no ano seguinte, volta a ser colocado. Em 2013, foi iluminado com duas mil lâmpadas LED (que também serão utilizadas por Joana Vasconcelos) azuis e brancas.

Em 2017, a 15 de abril, o terço foi confecionado com bolas de esferovite recicladas, flores de papel, seis mil pérolas e arames, num total de mais de 12 mil peças. O médico Osmar Sales, atualmente com 61 anos, explicou à Globo que o criou o primeiro terço em 1998, numa tentativa de recriar um terço gigante da missa celebrada por João Paulo II, no Rio de Janeiro, em 1997. O terço está até meados de maio exposto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)