Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Freixo (Ponte de Lima), Cristelo (Paredes), Marinha Grande Poente (Leiria), Fernando Casimiro Pereira da Silva (Rio Maior), Vila Nova da Barquinha (Santarém) e Boa Água (Sesimbra) — de acordo com o Expresso, foram estes os seis agrupamentos escolares convidados pela Direção-Geral de Educação (DGE), antes do início do ano letivo corrente, para implementar uma série de medidas pedagógicas “inovadoras” com vista a responder “de forma ágil e adequada à eliminação do abandono e do insucesso escolar”.

A experiência, que abre espaço às escolas para decidirem as próprias metas, programas e calendários escolares, isentando-as também da divisão clássica dos alunos em turmas, terá a duração de três anos letivos. Garantiu ao mesmo jornal Pedro Cunha, subdiretor da DGE, no rol de medidas possíveis e esperadas não está o fim administrativo dos chumbos: “Trata-se de dar a estas escolas todas as opções de que precisem para agir preventivamente e assim eliminar, de forma progressiva, a retenção e o abandono escolar.”

Tudo deverá acontecer sob o olhar atento de “Grupos de Acompanhamento” da experiência pedagógica, constituídos para o efeito, com representantes da Direção-Geral da Educação, da Estrutura de Missão para a Promoção do Sucesso Escolar, da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares e da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional.

O despacho que regulamenta a situação foi assinado por João Miguel Marques da Costa, Secretário de Estado da Educação, no passado 7 de abril e publicado esta quarta-feira em Diário da República. E determina ainda que estes projetos-piloto de inovação pedagógica (PPIP) terão de ser sujeitos eles próprios a três momentos de avaliação externa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O objetivo final será perceber se as medidas inovadoras implementadas têm efeitos efetivos na redução do insucesso e do abandono escolar e, se for caso disso, passar a aplicá-las à escala nacional: “A experiência adquirida permitirá, posteriormente, validar as soluções implementadas no quadro do desenvolvimento dos referidos projetos-piloto, tornando oportuna a transposição das mesmas, sem prejuízo dos necessários ajustamentos decorrentes da especificidade de cada agrupamento de escolas ou escolas não agrupadas”, pode ler-se no despacho.

Segundo números publicados pela Comissão Europeia, entre 2012 e 2015 Portugal até reduziu o abandono escolar precoce em 6,8% — mas mantém uma taxa de 13,7%, contra os 11% que são a média da União Europeia.

De acordo com dados da OCDE, 31% dos alunos portugueses com menos de 15 anos já chumbaram pelo menos uma vez — a média dos 34 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico fixa-se nos 13%.

Só 14% dos alunos que ficam retidos num ano letivo têm sucesso no seguinte, determinou recentemente um estudo promovido pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.