Donald Trump e Vladimir Putin recomeçaram os contactos diretos para tentar retomar as negociações tendo em vista um cessar-fogo na Síria e até discutiram a possibilidade de um primeiro encontro em julho, na Alemanha.

Depois do bombardeamento norte-americano contra as forças sírias apoiadas pela Rússia, em resposta a um ataque de Bashar al-Assad com armas químicas contra os seus próprios cidadãos, o contacto direto entre os dois presidentes foi suspenso.

O Presidente dos Estados Unidos e o Presidente da Rússia voltaram agora a falar e Trump concordou em enviar um representante norte-americano às negociações sobre a questão síria que a Rússia está a organizar em Astana, no Cazaquistão.

Segundo o jornal norte-americano New York Times, o relato da conversa entre os dois líderes não bate certo. Os norte-americanos dizem que os dois presidentes discutiram a criação de zonas desmilitarizadas por questões humanitárias e para conseguir uma paz duradoura. O Kremlin diz que a questão não foi discutida com detalhe.

O plano que a Rússia pretende propor em Astana, de acordo com o jornal, passa por serem as forças russas, iranianas e turcas a servirem como separador entre as forças do governo sírio e os rebeldes.