A Greenpeace France colocou na Torre Eiffel uma faixa amarela com as palavras “Liberté, Egalité, Fraternité” (“Liberdade, Igualdade e Fraternidade”) — o lema da Revoução Francesa — e a hastag #Resistir, em protesto contra a Frente Nacional e a líder do partido, Marine Le Pen. Uma ação que ocorre a dois dias da segunda volta das eleições francesas.

Jean-François Julliard, diretor-geral da organização, teve como objetivo “alertar” relativamente ao “projeto de Marine Le Pen e aquilo que ele representa, como por exemplo os riscos para as associações”. “Defender [a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade] é indispensável para levarmos a cabo a nossa luta ambiental”, acrescentou.

A Greenpeace France reforçou ainda quem eram os visados do protesto num post na sua página de Twitter. “Não vamos deixar a Frente Nacional pôr em causa os nossos valores”.

Segundo o Le Parisien, os 12 ativistas chegaram ao local por volta das 5h25 (hora local) e, segundo as autoridades francesas, destruíram uma “rede de proteção” para conseguirem chegar à Torre. Nessa altura, seis dos ativistas escalaram a Torre Eiffel, onde colocaram uma faixa de 30m por 10m. As câmaras de segurança captaram o momento e vários agentes da polícia dirigiram-se ao local.

Os 12 ativistas foram entretanto detidos e levados para a esquadra do VIIème arrondissement. Num comunicado, a polícia francesa adianta que o facto de os ativistas terem conseguido levar a cabo esta ação, numa cidade que está em estado de alerta, revela “falhas nos dispositivos de segurança” de um dos locais mais emblemáticos de Paris.

A polícia da capital, o organismo que faz a exploração da Torre Eiffel e os responsáveis da autarquia estiveram reunidos, esta manhã, para “analisar” a situação. A câmara de Paris já condenou esta ação, considerando “inadmissível” que um monumento como a Torre Eiffel, “emblema de Paris”, seja utilizado “para fins políticos”.