Montauk Juice Factory, empresa dona de The End of Brooklyn, iniciou a ação judicial por violação de marca registada, na quarta-feira passada, no Tribunal de Distrito dos EUA, em Nova Iorque, contra o Starbucks, por considerar que este lhe roubou a ideia da bebida inspirada em unicórnios.

Ambas as bebidas são inspiradas em unicórnios, estando repletas de cor-de-rosa e azul brilhante. A diferença entre elas consiste na sua data de lançamento, já que o café nova-iorquino lançou o The Unicorn Latte em dezembro, quatro meses antes do Starbucks ter lançado o Unicorn Frappuccino.

The Unicorn Latte é uma bebida azul e cor-de-rosa bilhante, feita com gengibre pressionado a frio, sumo de limão, algas azuis-verde, baunilha e tem como base café ou leite. Foi pedida a sua patente, enquanto bebida e marca, em janeiro deste ano, pelo escritório de patentes e marcas registadas nos EUA. Depois de realizado o pedido, as suas vendas subiram exponencialmente, representando cerca de um quarto das vendas da loja.

Além de ter um nome muito semelhante, o UnicornFrappuccino tem parecenças visuais com o UnicornLatte, já que ambos são brilhantemente coloridos, em tons azuis e rosa”, lê-se no processo.

Depois do Starbucks ter lançado a sua bebida, durante um período de tempo limitado entre 19 a 23 de abril do presente ano, os clientes de The End of Brooklyn assumiram a “nova” bebida como uma imitação daquela a que estavam habituados.

Reggie Borges, porta-voz da Starbucks, afirma que o processo iniciado não tem qualquer mérito. Alega que a bebida “foi inspirada na diversão, animação e na ideia de unicórnios coloridos, que têm sido tendência nas redes sociais”, disse a empresa num e-mail, acrescentando que a bebida foi oferecida durante um período limitado não se encontrando disponível atualmente.

Os proprietários do café de Brooklyn exigem ao Starbucks, não só um pedido de desculpas público, como a transferência de todos os lucros feitos com a venda da bebida Unicorn Frappucino. Consideram que a grande empresa de café diminuiu o valor da sua propriedade intelectual ao apropriar-se da sua bebida, confundindo os seus consumidores levando-os a crer que os produtos do The End of Brooklyn e da Starbucks estão associados.