Dois tipos há de pessoas no mundo: os que, em algum momento da relação, se questionaram, e os que nunca o fizeram — nem querem vir a fazer. A pergunta, que pode (consoante a resposta que se obtiver) fortalecer ou destroçar um matrimónio ou relacionamento, é simples: qual o número ideal de parceiros sexuais até se “assentar”?

O estudo que aqui lhe apresentamos talvez não seja o mais fiel. Literalmente “fiel”. É que foi desenvolvido por um site de encontros extraconjugais, o Illicit Encounters.

Adiante. O estudo consultou maioritariamente casais que estão num relacionamento dito “sério”. Ambos, mulheres e homens, concordam quanto ao número ideal de parceiros sexuais a ter antes de se assumir uma relação duradoura: doze. Um número que revela que o parceiro é “sexualmente aventureiro” e “liberal”, lê-se. Qualquer número abaixo de dez parceiros sexuais até se “assentar”, por outro lado, dá a entender que a cara-metade é “demasiado conservadora” e “sexualmente inexperiente”.

Outro número há no estudo do Illicit Encounters com significado: dezanove. Ou mais. Quando o número de parceiros sexuais no passado é igual ou superior a dezanove, o “Ele” ou a “Ela” são tidos no estudo como “egoístas”, alguém com “dificuldade em dar prazer” e, ainda, “pessoas ansiosas por saltar de parceiro em parceiro”.

A nobre arte de “flirtar” à noite (ou o que as mulheres querem ouvir dos homens). As 14 dicas delas para si

Contudo, e apesar de o estudo apresentar um “magic number” — é assim que lá é descrito –, este demonstra igualmente que ainda há algum desconforto em saber esse tal número, “mágico” ou não. É que apenas 53% dos homens consultados admitem ter curiosidade em sabê-lo, sendo a percentagem de mulheres ligeiramente inferior: 45%.

O porta-voz da Illicit Encounters, Christian Grant, citado pelo Independent, explica o porquê de a percentagem de homens “curiosos” ser superior à da mulheres. “Eles querem ser visto como os maiores e os melhores. Quer seja para satisfazer a parceira ou massajar o próprio ego. As mulheres, por outro lado, ficam satisfeitas por tão simplesmente desfrutarem do momento, deixando de lado as experiências passadas”, garante Grant.