Presidente Trump

A carta de despedida do ex-diretor do FBI após a demissão por Trump

James Comey enviou uma carta de despedida aos seus amigos e colaboradores mais próximos depois de ter sido afastado da direção do FBI por Donald Trump esta quarta-feira.

Getty Images

Autor
  • Helena Cristina Coelho

James Comey enviou esta quarta-feira uma carta de despedida a um grupo restrito de amigos, agentes e colaboradores do seu staff depois de ter sido demitido do cargo de diretor do FBI pelo presidente dos EUA.

No documento, a que a CNN teve acesso, o até ontem líder da agência de investigação norte-americana não se alonga em comentários ou avaliações sobre a decisão de Donald Trump, até porque não quer “perder tempo sobre a decisão ou a forma como foi executada”. Mas recorde que “um Presidente pode despedir um diretor do FBI por qualquer razão ou por absolutamente nenhuma razão”.

Comey não deixa de lamentar a sua saída de “um grupo de pessoas comprometidas a fazer as coisas certas”, escreveu. E reforça a importância que o FBI tem no país. “Já vos disse isto antes que, em tempos de turbulência, os americanos devem encarar o FBI como uma rocha de competência, honestidade e independência”, declarou James Comey.

O que escreveu o ex-diretor do FBI na carta:

A todos:

Sempre acreditei que um Presidente pode despedir um diretor do FBI por qualquer razão ou por absolutamente nenhuma razão. Não vou perder tempo sobre a decisão ou a forma como foi executada. Espero que vocês também não. Está feita, e eu estou bem, embora vá sentir profundamente a vossa falta e da missão.

Já vos disse antes que, em tempos de turbulência, os americanos devem encarar o FBI como uma rocha de competência, honestidade e independência. O que torna difícil deixar o FBI é a natureza e a qualidade das suas pessoas, que em conjunto representam essa rocha para a América.

É muito duro deixar um grupo de pessoas que estão comprometidas unicamente em fazer a coisa certa. A minha esperança é que continuem a viver de acordo com os nossos valores e na missão de proteger a América e defender a Constituição.

Se fizerem isso, também vocês ficarão tristes quando saírem, e os americanos estarão mais seguros.

Trabalhar convosco foi uma das maiores alegrias da minha vida. Obrigado por essa dádiva.

Jim Comey

A carta original divulgada pela CNN pode ser lida aqui:

A demissão de Comey na última terça-feira surgia numa altura em que o FBI admitia publicamente investigar os alegados contactos mantidos entre a campanha de Trump e o Kremlin durante as presidenciais norte-americanas. A propósito da investigação, o diretor do FBI chegou a assumir quarta-feira no Senado: “Nós seguimos as provas onde quer que elas nos levem”.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, em comunicado, apenas referiu que “o presidente aceitou a recomendação do procurador-geral [Jeff Sessions] sobre a demissão do diretor do FBI”. Spicer não adiantou, contudo, as causas do despedimento de Comey.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidente Trump

As duplas faces de Trump

Salvador Furtado
124

Trump faz da política um jogo. Enfraquece os outros à procura de se fortalecer a si. A visita ao Reino Unido foi como uma corrida de cavalos e Trump fez uma aposta – num senhor com o cabelo como o seu

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)