Nações Unidas

Desde abril mais de 20.500 refugiados chegaram a Angola

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados divulgou que mais de 3.000 refugiados da RDCongo chegaram nos últimos dias à província angolana de Lunda Norte.

A situação já levou o chefe do Estado-Maior Adjunto das Forças Armadas da RDCongo, general Dieudonnè Ameli ao Dundo, para uma reunião com o general Gouveia de Sá Miranda, comandante do Exército angolano

ALAIN WANDIMOYI/EPA

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados divulgou, esta sexta-feira, que mais de 3.000 refugiados da República Democrática do Congo chegaram nos últimos dias à província angolana da Lunda Norte, elevando o número de refugiados naquela região para 20.563 pessoas desde abril.

De acordo com o ponto de situação feito em Genebra, Suíça, pelo porta-voz da UNHCR, Andrej Mahecic, estes refugiados fogem da “violência” que se faz sentir há meses na região de Kasai, na República Democrática do Congo (RDCongo).

O exército angolano está a transportar os recém-chegados dos pontos de fronteira para os dois centros de acolhimento, em Cacanda e Moussunge [província da Lunda Norte, próximo do Dundo]”, indicou Andrej Mahecic.

Entre os 3.000 refugiados que chegaram ao leste de Angola nos últimos dias, acrescentou, incluem-se pessoas “com ferimentos graves e queimaduras, que foram transferidas para um hospital local para receber atendimento médico urgente”. Um hospital do Dundo já estará ajudando cerca de 70 pessoas “com ferimentos graves e queimaduras”.

Em causa estão os conflitos étnico-políticos no Kasai e Kasai Central, na RDCongo, que desde meados de 2016 já provocaram, segundo o ACNUR, um milhão de deslocados, 11.000 dos quais tinham fugido para Angola, através da província da Lunda Norte, até 30 de abril.

O número mais atual do ACNUR aponta agora para 20.563 refugiados, só desde abril.

Os centros de acolhimento de refugiados em Angola já estão sobrelotados e estão em dificuldades para acomodar as chegadas diárias. O ACNUR está atualmente a ajudar as autoridades angolanas a identificar um local adequado para a deslocação de refugiados dos centros de acolhimento temporários”, informou ainda Andrej Mahecic.

Essa concentração é defendida pelo ACNUR “a pelo menos 50 quilómetros da fronteira” angolana.

Aquela agência da Organização das Nações Unidas refere na mesma informação que está a fornecer alimentos e artigos de socorro aos refugiados recém-chegados a Angola, além de tendas e folhas de plástico “para fornecer abrigo adequado, priorizando as pessoas mais vulneráveis”.

O ACNUR pede atualmente um apoio financeiro 6,5 milhões de dólares (5,9 milhões de euros) para fornecer assistência imediata a estes refugiados “para salvar vidas, incluindo comida, nutrição, saúde e itens de socorro para refugiados”.

Segundo informação anterior do ACNUR, estes refugiados relatam ataques de grupos de milícias, que estão a alvejar a polícia, militares e civis que suspeitem de apoiar ou representar o governo congolês.

O comandante-geral da Polícia Nacional de Angola informou recentemente que estão em curso ações de reforço de patrulhamento na fronteira com a RDCongo, para evitar a penetração de grupos armados em território angolano.

Estão a ser tomadas as medidas. Nós não podemos ficar impávidos, estamos a tomar as medidas de contenção para que não haja penetração de forças armadas para dentro do nosso país”, disse o comissário Ambrósio de Lemos.

A situação já levou o chefe do Estado-Maior Adjunto das Forças Armadas da RDCongo, general Dieudonnè Ameli ao Dundo, para uma reunião com o general Gouveia de Sá Miranda, comandante do Exército angolano.

Só a província da Lunda Norte partilha 770 quilómetros de fronteira com a RDCongo, dos quais 550 terrestres e os restantes com limites fluviais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)