Nações Unidas

Desde abril mais de 20.500 refugiados chegaram a Angola

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados divulgou que mais de 3.000 refugiados da RDCongo chegaram nos últimos dias à província angolana de Lunda Norte.

A situação já levou o chefe do Estado-Maior Adjunto das Forças Armadas da RDCongo, general Dieudonnè Ameli ao Dundo, para uma reunião com o general Gouveia de Sá Miranda, comandante do Exército angolano

ALAIN WANDIMOYI/EPA

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados divulgou, esta sexta-feira, que mais de 3.000 refugiados da República Democrática do Congo chegaram nos últimos dias à província angolana da Lunda Norte, elevando o número de refugiados naquela região para 20.563 pessoas desde abril.

De acordo com o ponto de situação feito em Genebra, Suíça, pelo porta-voz da UNHCR, Andrej Mahecic, estes refugiados fogem da “violência” que se faz sentir há meses na região de Kasai, na República Democrática do Congo (RDCongo).

O exército angolano está a transportar os recém-chegados dos pontos de fronteira para os dois centros de acolhimento, em Cacanda e Moussunge [província da Lunda Norte, próximo do Dundo]”, indicou Andrej Mahecic.

Entre os 3.000 refugiados que chegaram ao leste de Angola nos últimos dias, acrescentou, incluem-se pessoas “com ferimentos graves e queimaduras, que foram transferidas para um hospital local para receber atendimento médico urgente”. Um hospital do Dundo já estará ajudando cerca de 70 pessoas “com ferimentos graves e queimaduras”.

Em causa estão os conflitos étnico-políticos no Kasai e Kasai Central, na RDCongo, que desde meados de 2016 já provocaram, segundo o ACNUR, um milhão de deslocados, 11.000 dos quais tinham fugido para Angola, através da província da Lunda Norte, até 30 de abril.

O número mais atual do ACNUR aponta agora para 20.563 refugiados, só desde abril.

Os centros de acolhimento de refugiados em Angola já estão sobrelotados e estão em dificuldades para acomodar as chegadas diárias. O ACNUR está atualmente a ajudar as autoridades angolanas a identificar um local adequado para a deslocação de refugiados dos centros de acolhimento temporários”, informou ainda Andrej Mahecic.

Essa concentração é defendida pelo ACNUR “a pelo menos 50 quilómetros da fronteira” angolana.

Aquela agência da Organização das Nações Unidas refere na mesma informação que está a fornecer alimentos e artigos de socorro aos refugiados recém-chegados a Angola, além de tendas e folhas de plástico “para fornecer abrigo adequado, priorizando as pessoas mais vulneráveis”.

O ACNUR pede atualmente um apoio financeiro 6,5 milhões de dólares (5,9 milhões de euros) para fornecer assistência imediata a estes refugiados “para salvar vidas, incluindo comida, nutrição, saúde e itens de socorro para refugiados”.

Segundo informação anterior do ACNUR, estes refugiados relatam ataques de grupos de milícias, que estão a alvejar a polícia, militares e civis que suspeitem de apoiar ou representar o governo congolês.

O comandante-geral da Polícia Nacional de Angola informou recentemente que estão em curso ações de reforço de patrulhamento na fronteira com a RDCongo, para evitar a penetração de grupos armados em território angolano.

Estão a ser tomadas as medidas. Nós não podemos ficar impávidos, estamos a tomar as medidas de contenção para que não haja penetração de forças armadas para dentro do nosso país”, disse o comissário Ambrósio de Lemos.

A situação já levou o chefe do Estado-Maior Adjunto das Forças Armadas da RDCongo, general Dieudonnè Ameli ao Dundo, para uma reunião com o general Gouveia de Sá Miranda, comandante do Exército angolano.

Só a província da Lunda Norte partilha 770 quilómetros de fronteira com a RDCongo, dos quais 550 terrestres e os restantes com limites fluviais.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)